30 de julho de 2011

"O Nosso Património" - do ponto de vista dos Monitores!



Bem, depois deste mês recheado de actividades dentro do nosso projecto mais acarinhado apelidado de “O Nosso Património” em parceria com a Junta de Freguesia de S. Victor, acho que também ele é merecedor de, além dos textos diários dos participantes, um texto que encerre esta actividade escrito pelo monitorado.
                
No dia que visitamos as Sete Fontes, no caminho para a Junta, já atrasados uma hora e meia (imprevisto que acontecem quando há muito ânimo e ânsia de querer ver sempre mais), surgiu-me um texto de como é ser monitor, vou ver se ainda me lembro das palavras e do texto que construi:

Ser monitor é ter o papel de conduzir as actividades e dinâmicas a bom porto.
Ser monitor é mostrar não ter medo quando por dentro estamos assustados.
Ser monitor é mostrar segurança quando alguma coisa não corre como prevemos e contornar a situação de modo a que não se falhe.
Ser monitor é às vezes não saber muito bem o que vai fazer, mas ter sempre a convicção para não o deixar transparecer.
Ser monitor é guiar os participantes mesmo que estejamos desnorteados no caminho.           
Ser monitor é não parecer que tem fome às 13.30 quando efectivamente anseia por um almoço.
Ser monitor é não parecer cansado quando efectivamente mal dormiu por estar a preparar actividades e estar a necessitar de uma sesta da tarde para à noite preparar outras actividades para o dia a seguir.
Ser monitor é manter o ânimo quando vemos que os participantes esperam mais e não o estão a receber.
Ser monitor é exigir respeito e respeitar.
Ser monitor é fazer com que os participantes se divirtam, mesmo que esteja num dia péssimo.
Ser monitor é não transparecer os problemas pessoais e dedicar-se aos dos participantes.
Ser monitor é ensinar e contribuir para parte do crescimento dos participantes.
Ser monitor é dar do nosso tempo e no fim ser retribuído com o carinho dos participantes e a sensação de missão cumprida.

Isto foram algumas palavras que me lembrei na altura e me lembrei agora. Tudo para dizer parte do que é ser monitor. Na minha opinião esta é a actividade porque temos mais carinho na JovemCoop. 
É também a actividade que temos que nos “tira” maior tempo e dedicação, algo que no fim nos é retribuído com as palavras dos participantes, os seus gestos e aquilo que nos oferecem. 

É uma actividade que vale a pena pelo valor educativo e o poder de ajudar a melhorar mentalidades que tem.

É uma actividade onde se aprende de uma forma divertida mas onde não se brinca com o que é importante. 

É uma actividade que “se aproveita” da importância que estas idades têm para a sociedade e o papel que vão ter no futuro. 
Esta geração pode não só mudar o nosso futuro como influenciar o nosso presente, por exemplo através dos pais. No fundo esta é uma actividade de mudar mentalidades que nem sempre são as melhores e isso nota-se durante todo o trabalho que temos durante o mês de Julho ao inventariar aquilo que temos e ver o risco eminente de desaparecer.
Falo na minha pessoa quando digo que adoro as Sete Fontes, que elas são as “meninas dos meus olhos” e que me dá uma satisfação enorme em ajudar a protegê-las. 
Durante esta actividade “O Nosso Património” deu-me pessoal satisfação de ver e perceber que as Sete Fontes foram acarinhadas pelos nossos participantes que estavam desejosos de lá entrar e adoraram o Monumento Nacional.

Por último é importante falar na actividade de encerramento d’ ”O Nosso Património”: o nosso acampamento. Foi realizado em Sto. Tirso, na freguesia de Monte Córdova. Temos a agradecer esta estadia ao Presidente da Junta de Monte Córdova e ao Presidente da Junta de S. Victor que, em parceria, nos proporcionaram três dias e duas noites muito divertidas e cheios de peripécias. Desde a montagem das tendas que muitos dos participantes nunca o tinham feito ao peddy-paper nocturno, houve muita diversão e momentos de reflexão. Sem contratempos maiores acho que os participantes se portaram muito bem e que todos nos divertimos bastante.

Antes de acabar este texto temos agradecimentos a fazer em nome da JovemCoop ao Presidente da Junta de Freguesia de S. Victor não só pelo acampamento mas também por esta maravilhosa parceria que tantos frutos tem dado e que já se vem repetindo há sete edições. Agradecemos o acolhimento desta actividade dentro de portas da Junta, o transporte e a disponibilidade que tem para nós. E por fim queremos agradecer aos participantes, que são cada vez mais, pelo seu empenho, dedicação, respeito e diversão com que nos brindaram todo este mês. Obrigada é por vocês e para vocês que esta actividade continua.

Inês Barbosa @k@ Né - Monitora

27 de julho de 2011

Informação_Denúncia de ocorrência em Sete Fontes

No dia 27/07 do corrente ano, enviámos via e-mail para a AGERE, Direcção Regional de Cultura Norte, Câmara Municipal de Braga e Administração do Novo Hospital de Braga o seguinte ofício, a propósito de situações verificadas nas Sete Fontes:

Os nossos respeitosos cumprimentos.

Nos dias 19 e 26 do corrente mês, tivemos a oportunidade de visitar o Complexo Monumental das Sete Fontes e aceder ao seu interior.

Verificámos que na Mãe d’Água do Dr. Amorim, estavam a retirar as escoras que foram colocadas aquando das obras do Novo Hospital de Braga e que, simultaneamente, estavam os operários a retirar baldes de telhas partidas, que revestiam a canalização granítica e a coloca-las num monte de resíduos.

Estas telhas que têm uma função dentro deste imóvel classificado foram substituídas por telhas cerâmicas que estavam colocadas num barracão ali perto, junto da bica de água pública.
Ademais, estas telhas agora colocadas são mais pequenas e foram assentes em cimento, algo que perturba a ordem natural da água e o estilo artístico deste monumento nacional.

Gostaríamos de saber se estes trabalhos foram autorizados pelo instituto responsável e se foram devidamente acompanhados e os termos desta obra. Caso não tenham sido, gostaríamos de saber se haverá inquirição dos responsáveis.

Percebemos, ainda, que a pressão dos camiões a passar em cima das galerias do Dr. Amorim foi tal, que uma das padieiras está fracturada, conforme se pode ver em foto anexa.

Remetemos, em anexo, algumas fotografias das telhas substituídas e chapadas a cimento.
Com os nossos melhores cumprimentos,



canalizações cerâmicas depositadas em monte de lixo 

diferença de dimensões entre as canalizações originais (à direita) e as recentemente colocadas (à esquerda)


Canalizações cerâmicas com argamassa original (à direita) e recentemente colocadas em cimento (à esquerda)

Telhas recentes que foram colocadas no interior da galeria do Dr. Amorim

Padieira partida no interior da galeria do Dr. Amorim

Assim terminou...O Nosso Património!

"Diário do Minho" de 27/07/2011

Desde o dia 04 de Julho que caminhamos pelas ruas de S. Victor e descobrimos e inventariamos monumentos e sítios de interesse.

Este ano foi excepcionalmente bom, porque o grupo estava com vontade de descobrir mais história, mais monumentos e avançar com mais propostas de recuperação.
A notícia publicada no "Diário do Minho" traduz toda essa nossa vontade de querer ajudar a mudar mentalidades e incentivar à preservação da nossa memória.

O tempo dirá ser estamos no caminho certo e se atingiremos bons resultados!

JovemCoop em destaque...

"Diário do Minho" de 26/07/2011

O Diário do Minho deu destaque ao encerramento de "O Nosso Património" e convidou as pessoas a aparecerem nas Sete Fontes. Os nossos agradecimentos por esta ajuda na divulgação de tão importante Monumento Nacional.

A pousada e a arqueologia...

"Diário do Minho" de 26/07/2011

É louvável este acompanhamento tão próximo de uma intervenção arqueológica por parte de elementos do executivo da CMB.

Outrora, não tão longe no tempo, sacudia-se as responsabilidades e nem se queria ouvir falar de arqueologia.
Mudam-se os tempos...falta saber se se mudam as vontades.

De qualquer forma, assistiremos, com expectativa, ao desenvolver das intervenções arqueológicas neste local, pois a importância/relevância dos achados ainda poderá fazer com que a Pousada tenha de mudar de sítio...ou será que não se pôs a hipótese se aparecerem achados substanciais que interessem preservar sem a pousada ali?

26 de julho de 2011

JovemCoop entrou nas Sete Fontes




Aqui fica a última entrada no diário que foi escrito pelos nossos participantes, ao longo dos dias de actividade.
Reporta-se ao último dia de "O Nosso Património" em Braga, que visitou e entrou nas Sete Fontes.



Hoje, o dia de Património foi muito especial, principalmente para mim, porque eu nunca tinha entrado nas Sete Fontes ... 

Quando chegámos à Junta de Freguesia de S.Victor, reparei que quase toda a gente tinha trazido as lanternas para entrar nas Sete Fontes... Infelizmente não fizemos nenhuma dinâmica de grupo porque, como tínhamos de ir a pé, não houve tempo. 

A caminhada foi muito longa e cansativa, porque ir para os lados do novo Hospital de Braga, a pé com e muito calor, não é brincadeira xD. 

Finalmente lá chegámos às Sete Fontes, onde fomos recebidos pelo Agueiro responsável pela manutenção do Complexo das Sete Fontes, o Sr. Joaquim Peixoto. Explicou-nos quem mandou construir esse monumento, o que significava o brasão do Arcebispo numa Mãe d´Água, etc... 
Interessa lembrar que as Sete Fontes foram construídas entre 1744 e 1752, pelo Arcebispo D. José de Bragança, para dar abastecimento de água à cidade de Braga. As Sete Fontes são compostas por canalizações e galerias por onde circula a água e também por edifícios chamados “Mães d’Água” onde se reúnem as águas e a canalizam para uma condução central. 
A seguir, veio o momento mais esperado por todos nós, ENTRÁMOS na Mãe d’Água do Dr.Alvim de Cima. 

Estava muito escuro, havia muita gente e pouco espaço, fomos todos em fila indiana até ao respiro daquela fonte... De seguida, voltámos tudo para trás, todos aflitos porque vimos vários animais desde cobras a lesmas. 

Entusiasmados, entrámos noutra galeria e fizemos um percurso até atingir um novo respiro. 

Saindo dessa fonte, fomos até à Mina dos Órfãos, onde o Sr. Joaquim nos teve a explicar o motivo pelo qual foi construída. 
Andámos mais um pedacinho e fomos dar à Mãe d’Água do Dr. Sampaio, onde, por sua vez, entrámos também mas o seu caminho era mais pequeno, logo, saímos dali mais rápido...Aqui vimos uma canalização em ferro e um desenho do pináculo numa das paredes. De seguida, passamos pela Mina do Dr. Nozes. 

Por fim, fomos até à última fonte, que passava por baixo do novo Hospital de Braga... Aí, bebemos e enchemos garrafas para dar força para a viagem de regresso. 

Já todos estourados de tanto cansaço físico, lá conseguimos voltar inteiros para a Junta, realizando, assim, o último dia de “O Nosso Património”, antes de irmos para o acampamento em St.º Tirso ... 

Até para o ano, e aqui vai o também o último texo do diário da JovemCoop ! 

Chiquinho Belo 

JovemCoop visitou (um futuro Museu dos) Rádios

O nosso anfitrião, Sr. Manuel Luis mostra-nos o esqueleto de um rádio

Sr. Manuel Luis além de coleccionador de rádios, dedica-se, 
também, a coleccionar os cartazes de publicidades antigas aos rádios

A nossa gratidão e amizade para com o Sr. Manuel Luis que nos possibilitou conhecer um Património muito diferente e interessante!

O dia 25 de Julho ficará na nossa memória...assistimos a um museu em potencial, visto que tem cerca de 1800 rádios antigos, todos recuperados. 
O Sr. Manuel Luis Simões abriu, pela primeira vez, as portas ao público e mostrou-nos a sua colecção. Ouvimos o som dos rádios e ainda percebemos, através das explicações do Sr. Manuel Luis, como funcionam as frequências, a necessidade de haver emissores, etc, etc. 

Foi surpreendente ver tantos rádios e com tanta história, e o acolhimento e o conhecimento foi, simplesmente, genial.

O NOSSO MUITO OBRIGADO!!!


JovemCoop visitou Signinum



E aprendeu algumas técnicas de conservação e restauro...

25 de julho de 2011

Albergue de Peregrinos na Casa das Convertidas

"Correio do Minho" de 22/07/2011
"Diário do Minho" de 24/07/2011

Após visita à Casa/Recolhimento das Convertidas, o balanço é ambíguo: por um lado, muito positivo por termos tido a oportunidade de lá entrar e cumprir os nossos objectivos - dar a conhecer e inventariar;
Por outro, desolador, por assistirmos ao abandono e progressiva ruína daquele edifício;

Quando nos perguntaram qual a nossa proposta para revitalizar aquele edifício, veio-nos à mente a Pousada da Juventude de Braga, entretanto assumida para outro lugar. Aventamos a hipótese de um Museu da História da Cidade de Braga ou o Centro Cívico da Freguesia de S. Victor. Tudo excelentes hipóteses.

Entretanto alertaram-nos para a vertente de apoio social e religiosa que tem de ser mantida naquela estrutura. Ao correr as páginas do Diário do Minho, surgiu-nos outra hipótese, capaz de fazer face a estas condicionantes - porque não um albergue de peregrinos de São Tiago? Barcelos irá agora dispor de um novo Albergue de Peregrinos, que ficará à disposição dos peregrinos que se deslocam até Santiago, num processo que ganha cada vez mais adeptos e simpatizantes.

Ficaria a ser uma estrutura aberta ao público, devidamente requalificada. Cumpriria o propósito social de ajudar quem precisa de um local para pernoitar e de uma refeição. Manteria a sua componente religiosa, pois os peregrinos enchem-se de fé no caminho para Santiago de Compostela. E este lugar tão singelo e despojado de luxos, serviria para ajudar à meditação e ao encontro espiritual.

Acreditamos que esta poder ser, de tantas outras ideias, a que melhor se posiciona para vingar.
Haverá, agora, vontade para tornar isso possível?

Átrio de entrada da Casa das Convertidas que convida ao acolhimento e reflexão

Em 2010, entrámos pela primeira vez neste edifício, já sem certezas se iríamos conseguir repetir a visita no corrente ano. 


Como a Câmara Municipal de Braga optou por não atender às necessidades de quem viaja, geralmente, sem transporte próprio e de mochila ao ombro, a luz verde para a Pousada da Juventude de Braga recaiu sobre o Convento de S. Francisco em Real, sítio rico em História, mas pouco abonatório na localização (demos nota disso em http://jovemcoop.blogspot.com/2010/11/retirado-do-diario-do-minho-de-14112010.html).




JovemCoop@Feirinha de artesanato de S.Victor


"Correio do Minho" de 24/07/2011

"Diário do Minho" de 24/07/2011

Aceitamos o honroso convite da Junta de Freguesia de S. Victor para estarmos presente na Feirinha de Artesanato de S.Victor e expor as nossas peças de material reciclado.


O tempo ajudou, a localização no Largo da Senhora-a-Branca excepcional, o convívio foi excelente e a animação pela Associação Cultural e Recreativa "Os Sinos da Sé" foi um espectáculo. 


Em suma, foi mais uma oportunidade para divulgarmos a JovemCoop e mostrar que somos uma associação com múltiplas valências.



JovemCoop termina "O Nosso Património" com visitas!

"Diário do Minho" de 24/07/2011

Estamos quase a entrar na recta final da actividade "O Nosso Património - VII Edição", promovida pela JovemCoop e pela Junta de Freguesia de S.Victor.


Ao longo do mês de Julho, visitamos e inventariámos vários sítios importantes para a Cidade de Braga e terminamos o ciclo com importantes visitas, das quais destacamos:
Dia 21 - Casa/Recolhimento das Convertidas, na Av. Central;
Dia 22 - Ateliers Signinum - Gestão de Património Cultural;
Dia 25 - Casa do Coleccionador de Rádios, Sr. Manuel Luis Simões;
Dia 26 - Sete Fontes, Monumento Nacional;


e depois...Acampamento "O Nosso Património" em Santo Tirso, nos dias 27, 28 e 29 de Julho!!!


Monte Picoto - Prioridades de uns que não são prioridades de todos

"Diário do Minho" de 22/07/2011

A Câmara Municipal de Braga apronta-se para dar início ao processo de requalificação do Monte Picoto, um dos sítios mais marcantes da paisagem de Braga.

Tal como dissemos em http://jovemcoop.blogspot.com/2010/07/o-monte-picoto.html e em http://jovemcoop.blogspot.com/2010/06/entre-aspas-monte-picoto.html concordamos que o Monte necessita de um projecto de intervenção, mas acreditamos que não é um caso dramático que requeira atropelar procedimentos e fazer ouvidos moucos aos proprietários dos terrenos.

Afinal, a CMB não actua assim para casos mais graves como as Sete Fontes. A pressão urbanística nas Sete Fontes tem sido tal, que a CMB comprometeu-se a fazer um Plano de Pormenor que tarda em ser publicamente apresentado. Esse plano, que devia contemplar a negociação com os proprietários privados parece estar longe de acontecer, pois o Sr. Presidente da CMB alertou, precisamente, aquando da instalação da primeira sinalética para o Complexo Monumental, que estavam a direccionar as pessoas para terrenos particulares...como podem relembrar AQUI!!!

Posto isto, é com natural satisfação saber que há quem partilhe das nossas preocupações e entendimentos, como pode ser lido no último parágrafo da notícia.


Desvalorizar O Nosso Património...

"Diário do Minho" de 25/07/2011

Num Estado em crise financeira, muitos podem ser os recursos utilizados para suprir e sair dessa crise.

A notícia que é hoje publicada no Diário do Minho traduz, em perfeição, as políticas de ausência, de desprezo ou de interesse pecuniário a que os Monumentos de Portugal têm sido votados.

Enquanto não interessam, são deixados ao abandono, em risco de ruína, porque são entendidos como património cultural e o património cultural é parco em verbas e recursos (prioridade última, entenda-se).

Mas o preocupante é esta espécie de teoria concertada, para despromover o interesse cultural dos sítios monumentais, para que, se necessário, possam ser vendidos a privados e estes, que o explorem os monumentos ou que os destruam ou que saibam rentabiliza-los fora da governação pública. Interessa, pois, uma venda rápida e barata, para que deixe de ser um peso ao Estado.

E estas atitudes empobrecem o nosso património, a nossa mentalidade e a nossa cultura. Naturalmente, isto reflecte-se no grau de instrução, ensino e evolução das gerações.

Quem não conhece não ama, e quem não ama não tem interesse em proteger...quem não protege, tanto pode ser português como de uma outra nacionalidade...e assim se vai espoliando as nossas heranças culturais.

É, precisamente, contra isto que a JovemCoop tem lutado, para poder ajudar a inverter esta tendência, e mostrar aos nossos jovens a nossa história e potencial patrimonial. "O Nosso Património" é uma actividade de valor que permite que os jovens se aproximem dos "seus" monumentos, que conheçam a sua história e que tenham orgulho nela e a ajudem a perpetuar pelas gerações vindouras.

JovemCoop na Capela da Casa das Convertidas - uma Capela que está fechada, mas que abriu portas para podermos conhecer o seu património, valor cultural e propor medidas de preservação para este imóvel!


Entre Aspas - 25/07/2011

"Diário do Minho" de 25/07/2011

O "Entre Aspas" desta semana aborda um tema muito importante para os cidadãos...a participação de Braga na Agenda 21 Local.

Este programa compromisso, rubricado livremente pela Câmara Municipal de Braga pouco ou nada tem contribuído para a franca melhoria da qualidade de vida dos cidadãos bracarenses.

Os signatários do "Entre Aspas" desta semana focam três importantes exemplos - Monte Picoto, Rio Este e Complexo Monumental das Sete Fontes - sobre o que não tem sido feito para requalificar e rectificar locais de índole natural e que foram sendo, ao longo dos tempos, sucessivamente transformados.

Factores de risco e perigosidade estão atinentes a estes locais, onde (ainda) não se deslumbram planos de pormenor e/ou salvaguarda capazes de dar resposta à exigências dos cidadãos, na parte ambiental, em pleno Séc.XXI.

Vamos ajudar a enriquecer o património fotográfico...

"Correio do Minho" de 24/07/2011

Um cenário tipicamente minhoto...de outros tempos. Homens, subindo à escada, provavelmente para fazer a vindima.
Isto é uma primeira análise, mas talvez tenha muita mais história.
Se souber mais sobre esta foto, pedimos para contactar a Catarina Miranda Basso em c.wheelhouse@gmail.com .
A história da Cidade de Braga agradece...


18 de julho de 2011

Histórias de Braga...para recordar!

"Diário do Minho" de 16/07/2011

Todas as cidades têm momentos marcantes e histórias que perduram no tempo.

O facto de a Igreja dos Congregados ter, até há pouco tempo, apenas uma torre é algo que pouco conhecem...e a história da avioneta que embateu na torre é quase desconhecida.
Deixamos aqui o excelente testemunho de Rui Ferreira que nos relembra "o dia em que o avião embateu na Torre dos Congregados"!

Vale a pena ler...
Para memória futura ficam, ainda, fotografias da Igreja dos Congregados ainda com uma só torre (estas imagens foram usadas para uma exposição fotográfica a propósito da recuperação da fachada dos Congregados, em 2006)






Um novo Castelo de Lanhoso

"Diário do Minho" de 15/07/2011

Uma excelente iniciativa da CMPL que aposta na valorização de um monumento para atrair mais turismo e melhor informar os visitantes.
O ex-libris da Póvoa de Lanhoso, agora valorizado, retoma o brilho que teve outrora.
Inauguração no próximo dia 21!


Fotos com valor !!!

 "Correio do Minho" de 15/07/2011

 "Correio do Minho" de 16/07/2011

Cada uma destas fotos transmite algo muito verdadeiro e genuíno. Por um lado, o simbolo da fé nos homens e  a solidaderiedade humana, algo que muitas vezes parece perdido.

Mas também se retrata a importância animal na nossa sociedade e o facto de muitas crianças, hoje, viverem enganados. Assim se desfazem mitos.

Um BRAVOOOOOO a estes dois excelentes repórteres fotográficos!


Vamos ajudar a enriquecer o nosso património fotográfico

"Correio do Minho" de 17/07/2011
Mais uma oportunidade para ajudar a enriquecer a História da cidade de Braga e das pessoas que fizeram parte dela. Se tiver alguma informação, o Museu da Imagem e a cidade de Braga agradecem.

13 de julho de 2011

Noites Brancas...da Senhora-a-Branca


No próximo Sábado, dia 16 de Julho, pelas 21h30, o Largo da Senhora-a-Branca veste-se de branco para receber as "Noites Brancas" - IX edição de um festival singular em Braga.

Este ano, o programa musical reveste-se de música polifónica do Orfeão de Braga, Coral de O Rosal e Polifónico de S.Victor, mas também animado com os sons da Tuna Universitária do Minho.
Nós estaremos lá...

Castro Galaico - Monte da Consolação


"Diário do Minho" de 13/07/2011

Depois do sucesso da primeira edição, este ano retoma-se a iniciativa "Castro Galaico", que leva, até ao Monte da Consolação, Nogueiró, um festival de música tradicional.

É um convite a todos os bracarenses e amigos para disfrutarem de um dos mais bonitos e históricos locais da nossa cidade.

12 de julho de 2011

Conferência Novos Métodos de Datação Aplicados à Arqueologia...


Resumo da conferência:

A Geocronologia é uma parte da geologia dedicada ao estabelecimento de sequências ordenadas no tempo de eventos geológicos. Pode ser definida como a ciência que é responsável por determinar a idade absoluta das rochas e sedimentos fósseis e tem, também, aplicações cada vez mais diversificada na arqueologia.

Os métodos geocronológicos baseiam-se em processos físicos, ou em alguns casos químicos, bem conhecidos: radiométricos, cosmogénicos e dosimétricos. O método mais conhecido e utilizado em arqueologia é o método do radiocarbono. Recentemente desenvolveram-se novas maneiras de avaliar datação por radiocarbono, tais como métodos bayesianos, que permitem estabelecer sequências de eventos cruzando datações com informação arqueológica quantificada.

Existem outros métodos com aplicações importantes, como a luminescência. Esta técnica tem sido tradicionalmente usada para a datação de cerâmica por termoluminescência (TL) e actualmente também pode ser utilizada a luminescência opticamente estimulada (OSL) para datar cerâmicas, sedimentos, e outros materiais diversos (e.g. argamassas). Os métodos cosmogénicos permitiram desenvolver aplicações úteis para a arqueologia como a datação de sedimentos, superfícies erodidas pelo homem e mesmo a indústria lítica.

O objectivo desta conferência é proporcionar uma visão geral destas perspectivas de desenvolvimento dos métodos geocronológicos para aplicação em arqueologia no presente e no futuro próximo. 

CV - Dr. Jorge Sanjurjo


Investigador Pós-doc do Instituto Universitário de Geologia "Isidro Parga Pondal Isidro", Universidade de A Corunha (Espanha), com experiência em diversos temas de investigação associados com o património histórico, nomeadamente a análise e datação de materiais geológicos e arqueológicos, mas também o estudo dos processos de deterioração dos materiais.


Participou e está actualmente envolvido em vários projectos de pesquisa incluindo investigações na Síria (datação por luminescência de sítios arqueológicos sumérios) e em Marrocos (para o estudo por luminescência dos efeitos de incêndios históricos).


Actualmente é co-diretor da “Unidad de Geocronología de los Servicios Centrales de Investigación da Universidade de A Corunha”, unidade que consta do “Laboratorio de Luminiscencia” e do “Laboratorio de Nucleidos Cosmogénicos”.

Esta conferência que nos ajudará a entender mais sobre "O Nosso Património" é uma iniciativa conjunta da JovemCoop, Junta de Freguesia de S. Victor e Centro de Investigação Geológica, Ordenamento e Valorização de Recursos da Universidade do Minho - Fundação para a Ciência e Tecnologia e apoiada pela Acção Integrada Ref: 141/10 (Fundação das Universidades Portuguesas).

Dia 19 de Julho, às 21h30 no auditório da Junta de Freguesia de S.Victor - entrada livre!



11 de julho de 2011

Os ecos da festa em Guadalupe

"Correio do Minho" de 11/07/2011

"Diário do Minho" de 11/07/2011

Mas que GRANDE festa se viveu ontem na Capela de Guadalupe. Três celebrações distintas vividas num sentimento de grande intimismo e amizade.

Além da celebração que visou comemorar as bodas de ouro de sacerdócio do Pe. Dr. Sousa Fernandes, ainda houve espectáculo musical, da parte da tarde, no Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, para celebrar os 75 anos de vida do Dr. Sousa Fernandes e ainda os 25 anos de existência dos nossos amigos do Grupo Coral de Guadalupe.

Foi uma brilhante iniciativa, promovida pelo GCG, que encheu o espírito a todos quanto assistiram a estas comemorações.

A JovemCoop expressa aqui os seus parabéns pela festa e pelas efemérides...que se sigam muitos mais anos em prol das missões que o GCG nos habituou a defender.