29 de novembro de 2011

Crónica A Voz à Juventude (4) Correio do Minho

"Correio do Minho" 29/11/2011



JOVENS DE BRAGA TERÃO “CONFIANÇA”



Aproximando-se o Natal, os bracarenses foram brindados com um presente por parte da autarquia. O executivo municipal aprovou a compra das instalações da antiga Fábrica Confiança, imóvel com uma forte presença na Rua Nova de Santa Cruz.


Esta compra foi aprovada com exaltação positiva, por parte de uns, e olhada com forte desconfiança, por outros. Percebe-se, naturalmente, o porquê desta desconfiança.


Em tempos de crise financeira e sabendo que o nosso município se prepara para investir fortemente num programa de regeneração urbana alicerçada no Centro Histórico de Braga e Zona dos Galos, deduz-se que haverá uma forte comparticipação dos fundos comunitários, da qual não se pode esquecer a contrapartida nacional, que a julgar pelos montantes do projecto será, com certeza, elevada. E fica a dúvida no ar…terá a CMB saúde financeira para realizar tantos projectos? É que além dos investimentos a realizar no âmbito do Centro Histórico, temos ainda aqueles que serão realizados ao abrigo da Capital Europeia da Juventude 2012 (a Pousada da Juventude em Real e o GeNeRation no antigo Quartel da GNR).


Se somarmos a estes investimentos o montante que a autarquia paga pelo Novo Estádio de Braga e as Piscinas Olímpicas do Parque Norte, cuja estrutura começou a ser construída, mas que já se afigura como uma obra de Santa Engrácia, só podemos prever que há uma dotação financeira muito grande, alicerçada no esforço dos contribuintes, que têm de pagar taxas elevadas nos impostos municipais.


Obviamente que queremos que Braga seja uma cidade dinâmica e competitiva, mas os resultados futuros têm de ser à escala dos sacrifícios cometidos no presente.


No último Sábado, o senhor Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares afirmou que Portugal tem hoje a geração melhor preparada para enfrentar o mercado de trabalho, mas curiosamente incentivou esta mesma geração a abrir portas à sua inserção na laboração no estrangeiro, pois reconhece que o País hoje não comporta muitas hipóteses de empregabilidade.


Se por um lado é desmotivador encarar esta realidade – os sucessivos governos apostaram em subir os rankings da educação para agradar à Europa, mas esqueceram-se de dotar o país de condições para albergar os novos trabalhadores – por outro lado é preferível não termos de viver com ilusões. Portugal poderá vir a contar com os jovens, mas para já, não tem hipótese de lhes garantir sustento.


E naturalmente reflectimos…então Braga está a regenerar-se para quê? Para o ano Braga vai ser Capital Europeia da Juventude para quem? Perante as adversidades não podem os jovens desistir e há que fazer aquilo que os jovens fazem bem – ser criativos, determinantes e lutadores. Quem ler as revistas generalistas semanais, percebe que estes títulos usam recorrentemente da temática dos “novos negócios” e de “desempregados a patrões”, isto é, há que saber ler o mercado, pesquisar financiamentos e investir numa oportunidade. As revistas não costumam falar das tentativas falhadas, mas claro que quem investir tem de ter consciência do risco. Mas há, pelo menos, uma janela que se abre no panorama obscuro. E aí, a criação de negócios, que sejam alocados num imóvel tipo “Incubadora de Empresas”, “Business Factory” ou “Indústrias Criativas”, em pleno centro histórico reabilitado facilitará a progressão dos novos investidores. E aqui, poderá diminuir a esperança de termos de assistir a um novo fluxo migratório. E aqui, a CMB está a agir correctamente se estiver a preparar Braga com estruturas e eventos para dotar os jovens de ferramentas para competirem profissionalmente. E aqui, as antigas instalações da Fábrica Confiança depois de reabilitadas podem ser um excelente local para assentar jovens com vontade de fazer prosperar o seu país. Só precisamos que os gestores de Braga saibam gerir a cidade com a vontade de fazer um óptimo serviço público, no agora e para o futuro.

disponível também no site do Correio do Minho!



28 de novembro de 2011

Missão Põe Azeite 2011 - recolha para cabazes de Natal!



Em tempo de solidariedade, parece injusto pedir mais uma contribuição aos nossos amigos, pois sabemos que nos ajudam a nós e a outras instituições.

Mas como vem sendo habitual nos últimos dois anos, a Comissão Social da Freguesia de S. Victor (CSFSV) está a preparar cabazes alimentares para distribuir a várias famílias carenciadas e devidamente sinalizadas.

A grande dificuldade da CSFSV é arranjar azeite para colocar nos cabazes, pois felizmente os restantes bens, onde se inclui o bacalhau para a ceia de Natal são cedidos por outros vários apoios.
Assim, a Comunidade de Guadalupe pede ajuda para angariarmos nós o azeite e darmos resposta a esta necessidade. SÓ PEDIMOS MESMO AS GARRAFAS DE AZEITE!

Quem quiser e puder contribuir pode fazê-lo entregando as garrafas de azeite na Capela de N.ª Sr.ª de Guadalupe nos próximos Domingos, até dia 18 de Dezembro, na missa das 11h30.
Se não tiverem esta possibilidade, enviem, por favor um e-mail para grupo_coral_guadalupe@hotmail.com e combinamos a entrega noutro local.

Em nome da comunidade de Guadalupe e da CSFSV agradecemos mais este esforço que iluminará o Natal daqueles que mais precisam.

Confiança na aquisição da Confiança!

"Correio do Minho" 25/11/2011

"Diário do Minho" 25/11/2011

"Correio do Minho" 26/11/2011

A compra das antigas instalações da Fábrica Confiança, em plena Rua Nova Santa Cruz, parecem-nos uma excelente aposta da CMB.

Tivemos a felicidade de ser convidados pela Coligação "Juntos Por Braga" aquando da visita a este imóvel, ainda que já tivessemos conhecimento do seu interior no âmbito de uma visita em 2005, aquando da primeira edição de "O Nosso Património".

Desde essa altura que defendiamos a aquisição deste espaço por várias razões, entre as quais se prendem razões sociais, para diminuir a presença de toxicodependentes naquele espaço, criando insegurança; também por questões históricas, para que se fomentasse a memória da Indústria em Braga e ficasse perpetuada para conhecimento das gerações futuras; acreditamos, ainda, que a reabilitação destes imóvel poderia suprimir várias necessidades de Braga, se se apostasse em criar ali um espaço polivalente, capaz de albergar várias entidades e eventos.

Faz sentido lembrar a ideia que o Projecto Braga Tempo apresentou antes de evoluir para Estaleiro Cultural Velha-a-Branca.

Aí surgiria um auditório, salas de estudo abertas 24h, biblioteca, videoteca, dependência da Rádio Universitária do Minho, restaurante, Museu da Indústria entre outras ideias.

O facto de se encontrar às portas da maior academia minhota faz-nos desejar que a Universidade do Minho participasse activamente neste projecto. Teria imenso sentido que aquela estrtutura fosse uma valência da Universidade.

Mas isto são sonhos que acalentamos. Será útil ter uma dose de realidade e ler o texto do Sr. Jornalista José Paulo Silva, para perceber que ao longo do tempo houve várias intenções, muitas delas mal conseguidas e prejudiciais à cidade de Braga. Esperamos que agora, neste caso específico, seja diferente e que Braga tenha confiança na aquisição da Fábrica Confiança.

Entre Aspas: um apelo para salvar Braga

"Diário do Minho" 28/11/2011

Para ler e reflectir sobre a História da Cidade de Braga, os seus monumentos e o papel preponderante que poderia ter no turismo.


Braga Maior:a obra de E.Korrodi

"Diário do Minho" 28/11/2011

Um interessante texto sobre o criador do Palácio Dona Chica que deixou mais obras em Braga e que, uma vez mais, correm o risco de desaparecer!

Violência doméstica: não te submetas!


Infelizmente, mesmo sem nos apercebermos, todos nós conhecemos pessoas que sofrem violência doméstica.

Travar este problema depende das potenciais vítimas e dos amigos que podem estar presentes na hora de aconselhar e não deixar repetir o erro.

Passa a palavra e não te submetas a isto, porque quem exerce violência sobre um parceiro, não pode dizer que gosta do seu companheiro - gosta do poder que exerce sobre ele.

Não deixes que isto aconteça e denuncia a situação.

Jovens Talentos com palavras de desalento!

"Diário do Minho" 27/11/2011

Numa visita a Braga para promover a abertura da primeira edição do concurso "Jovens Talentos", o Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares disse aquilo que todos vamos sabendo, mas que ninguém quer, de facto, ouvir e assumir: Portugal não tem, actualmentem, capacidade de comportar grande parte dos jovens no mercado do trabalho.

Se pensarmos que nos últimos anos fez-se uma enorme aposta para qualificar os jovens portugueses, fazendo disparar o grau de instrução em Portugal, parece estranho que agora se diga que nos andaram a preparar para afinal irmos prestar serviço noutro país.

Não é que se possa censurar as palavras do Sr. Ministro Adjunto, porque afinal ele só verbalizou aquilo que já muitos de nós sabiam...que Portugal tem dificuldade de encaixar jovens, sobretudo jovens licanciados no mercado de trabalho e alargou o leque da participação laboral a outros países.

Mas não deixa de ser frustrante que se perdsigam sonhos, que se invistam, em média 16/17 anos de ensino para não haver lugar no mercado laboral.

Mas que estas palavras sejam catapultas para a ambição pessoal e para dotar os jovens de engenho e destreza para se reinventarem e procurarem um lugar no mundo empresarial. Talvez assim, Portugal saia mais depressa da crise e os jovens mostrem por que são uma alavanca onde devem assentar políticas com preocupações/soluções para o futuro.





Banco Alimentar: Em tempos de crise financeira não há crise de valores.

"Diário do Minho" 28/11/2011

No passado fim de semana, o Banco Alimentar promoveu mais uma iniciativa de recolha de alimentos, para distribuir por famílias mais carenciadas.

Felizmente, numa altura em que muitas famílias se debatem com cortes no subsídios e perda de poder de compra, a onda de solidariedade foi gigantesca e a generosidade das pessoas permitiu recolher quase  três mil toneladas de alimentos.

É confortante saber que numa altura de crise financeira, não há lugar para a crise de valores e que as pessoas são generosas e interajudam-se para minimizar os efeitos de um ano 2012 que se avizinha terrivel.


Braga:sobre a Regeneração Urbana

"Correio do Minho" 26/11/2011


Foi realizado, na passada sexta feira, um seminário sobre os projectos de Regeneração Urbana, baseado na discussão pública dos dois projectos que o Município de Braga quer implantar.

Torna-se urgente encentar estes processos de reabilitação, pois Braga começa a apresentar-se como uma cidade velha e degradada, no que diz respeito ao seu centro histórico.

Uma das consequências vísiveis, além da degradação do edificado é a falta de residentes neste núcleo central. Fruto de uma opção estratégica do passado, baseado nas relações estreitas entre o município e as empresas de construção de Braga, a cidade expandiu a um ritmo acelerado e com construções (de qualidade muitas vezes duvidosa) a preços acessíveis. E o centro perdeu gente.

Agora torna-se necessário inverter esta tendência. Certo é que muitas pessoas, sobretudo jovens casais alimentam o sonho de viver no centro da cidade. Se os projecto de reabilitação avançarem e proporcionarem habitações a custos controlados, cremos que será fácil devolver massa humana aos núcleos residenciais.

Mas torna-se fulcral que esta nova parceria da CMB com o cluster da construção seja transparente para que os negócios não tendam só para um lado, que geralmente não é o do serviço público.

Se quiser saber mais sobre estes projectos de reabilitação urbana, carregue AQUI e, com paciência. leia os documentos que estão no site da CMB.

Ponte de Lima:Projecto Casa de Montanha

"Diário do Minho 26/11/2011

Requalificar imóveis e benefícia-los para a fruição pública é algo que merece destaque, quando um executivo municipal procede dessa forma.

Ponte de Lima é um Município muitas vezes citado como um bom exemplo de uma autarquia que está atenta às necessidades do concelho e que é pró-activa no que toca ao turismo.

Mais um vez, na linha da frente, a CMPL adquiriu um imóvel de montanha e vai transforma-lo num espaço diversificado e de mais valia sócio-cultural, pois será composto por vários espaços diferentes.
São investimentos úteis que reflectem uma visão dinâmica do concelho e que atrai individuos e grupos a Ponte de Lima.
Será um sítio que a JovemCoop visitará assim que estiver pronto.

22 de novembro de 2011

Pensar a Cidade:Entrevista a Director Imobiliário do Grupo Regojo





"Correio do Minho" 19/11/2011
Carregar nas imagens para ampliar

Em entrevista ao Programa "Primeiro Plano" da Rádio Antena Minho, João Carvalho, Director da Área Imobiliária do Grupo Regojo (detentor do Liberdade Street Fashion - Antigo Quarteirão dos CTT) fala de vários assuntos, desde o Comércio, o Centro Histórico, a saída do Hospital do Centro, o Restauro Urbano e o Shopping de Santa Cruz, bem como de outros temas de interesse.

Naturalmente, destacamos, desta entrevista, duas parte muito importante, que se interligam. Na primeira página destacamos o projecto de musealização dos vestígios encontrados no antigo Quarteirão e o papel do IGESPAR. Na quarta página aborda-se o papel que os vestígios arqueológicos podem ter na atracção de públicos, no incentivo ao turismo e na conservação da História.

Enaltece-se o papel de responsabilidade social que o Grupo Regojo teve, no investimento que fez na preservação dos achados arqueológicos e na contribuição para a formação académica de jovens arqueólogos.

Preocupante parece ser o papel do Estado e o relacionamento/compromisso com a CMB e a Universidade do Minho.

Publicamos neste blogue a entrevista, para conhecimento e reflexão dos nossos leitores!

Braga CEJ2012: Concurso para Mascote


A Capital Europeia da Juventude lançou um concurso para a elaboração da Mascote que representará o evento ao longo do próximo ano.

Se tens habilidade para desenhar, se és crativo, carrega aqui para preencheres a FICHA de INSCRIÇÃO e consulta aqui o REGULAMENTO de PARTICIPAÇÃO!

Animação Centro Histórico:A Rusga desce ao Terreiro!

"Correio do Minho" 21/11/2011

"Diário do Minho" 21/11/2011

São iniciativas deste género que o nosso Centro Histórico necessita para se manter vivo, dinâmico e cultural.
A Rusga de S. Vicente, em parceria com o Restaurante "Silvas" promoveu uma edição de "A Rusga desce ao Terreiro" e promoveu um magusto animado pelos cânticos e as danças tradicionais.

Além do bonito espectáculo proporcionado, deve-se ter em atenção as palavras do proprietário do Restaurante, o sr. José Carlos Silva que adverte que aquele espaço nobre, no coração da cidade, está completamente esquecido e é alvo de ocupação por toxicodependentes e de dejectos humanos.

Ora, tendo em conta que do outro lado da muralha, a Arcada serve de cartão de visita a quem se desloca a Braga, parece inadmissivel que um local histórico, tendo a Torre de Menagem classificada como Monumento Nacional, seja votado ao abandono por parte dos respondáveis de Braga e seja um recanto de práticas ilícitas.

Não é este, seguramente, o cartão de visita que queremos para Braga, nem é, de certeza, os exemplos que queremos ver proliferar na nossa cidade.

Alerta-se, portanto, para uma maior dinamização e cuidado daquele espaço!

Vamos ajudar a enriquecer o nosso património fotográfico...

"Correio do Minho" 20/11/2011


O projecto Esseene do Museu da Imagem de Braga pretende reunir mais informações sobre imagens e fotografias das quais não possuem dados mais relevantes.

Por isso, se olhando para esta foto reconhecer alguma pessoa, local ou tiver conhecimento de alguma história associada, solicitamos o favor de contactar a responsável pelo projecto, pelos contactos contidos ao lado da foto.

Braga agradece o seu contributo!


Guimarães: bons exemplos a seguir

"Correio do Minho" 20/11/2011

À medida que se aproxima a data oficial da inauguração das duas Capitais Europeias, da Juventude em Braga e Cultura, Guimarães, é normal que se olhe para o que cada um está a preparar para receber o ano 2012.

De Guimarães chega um excelente exemplo que Braga deveria seguir. Reunir com profissionais do comércio, turismo, serviços, taxistas e inseri-los na longa história do Concelho. Afinal, Guimarães é um dos Concelho que mais marca a nacionalidade e que pode incentivar os turistas a visitar outras cidades além da Capital Europeia da Cultura. E esta iniciativa prepara as pessoas para saber receber e para saber responder a perguntas que os turistas tenham, personalizando o acolhimento e o atendimento.

Na cidade de Braga, que é raro haver sinalética explicativa nos monumentos, torna-se fulcral dinamizar uma iniciativa semelhante, para que os bracarenses saibam acolher e explicar, a quem nos vier visitar, a História da Cidade de Braga, que conta com milénios de registos, aventura e monumentos.

À escala da JovemCoop temos vindo a apostar no conhecimento dos Monumentos de S. Victor e os resultados são excelentes...os jovens deixam de banalizar os sítios por onde costumam passar diariamente, começam a dar-lhe mais valor e enriquecem o seu conhecimento com a história daquele local, podendo-a partilhar com turistas e outros curiosos.

De certeza que Braga ganharia com uma iniciativa deste género.

CEJ2014 - Salónica

"Diário do Minho" 19/11/2011

Foi apresentada, em Braga, a decisão de atribuir a Salónica, na Grécia o titulo de Capital Europeia da Juventude no ano 2014.

São noticias motivadoras para a Grécia, que em contexto de acentuada crise, vê na Juventude uma janela de esperança.

Contudo, começa a ser tempo de avaliar as diferentes realizações das CEJ e perceber se, de facto, estas Capitais têm cumprido o seu programa e os seus objectivos, os de, fundamentalmente, ouvir os jovens e dota-los de ferramentas para participar activamente nos desafios e projectos que se lhes são lançados.

Esperamos que Braga2012 dê exemplo e que chame a si os jovens e os desafie a participar muito além do ano em que receberemos o titulo de Capital Europeia da Juventude.

Pensar o território:Costa da Apúlia

"Correio do Minho" 19/11/2011

Grande parte de nós, por motivo de férias ou de simples passeio, já passamos na zona da Apúlia e, com o passar dos anos, assistimos ao fenómeno do desaparecimento do areal.

A zona piscatória das Pedrinhas tem sido muito fustigada pela ausência de areal, tanto que há uns anos atrás, com o recuo da linha de areal e avanço da linha de mar, foi necessário proceder a várias reformulações, onde se incluiram os paredões transversais, a estacaria em madeira para permitir o assentamento de areias e proteger a vegetação, tudo isto para poder dar garante de sobrevivência às casas ali construídas.

Obviamente que numa altura em que pouco se pensava no Ordenamento do Território, estava-se mais preocupado em travar o avanço do mar.

Em boa verdade, as construções nas dunas foram um erro, que hoje se paga caro, pois, uma vez mais, a natureza, com a ajuda de más opções do homem parece querer tomar de assalto àquela zona.
Perdemos o areal, vamos perder as construções e dificilmente voltaremos a ter dunas, daquelas que nos habituamos a saltar quando eramos miúdos.

É triste ver desaparecer um praia com uma actividade piscatória ainda muito artesanal, mas desfazer o esporão, por si só não resolverá o problema. Há que equacionar uma intervenção mais profunda e com efeitos mais acutilantes, para que a praia das Pedrinhas não fique só na nossa memória.

17 de novembro de 2011

Participação da JovemCoop nos TdR_PP_Sete Fontes



clicar nas imagens para ler documento ampliado

Uma vez que termina amanhã, dia 18/12, o período de Discussão Pública sobre os Termos de Referência do Plano de Pormenor para as Sete Fontes (Monumento Nacional), vimos, por este meio, dar conhecimento público da missiva que enviamos ao cuidado do Sr. Presidente da Autarquia bracarense, com conhecimento da Secretaria de Estado da Cultura e Direcção Regional de Cultura Norte/SBC pois acreditamos que à luz da lei 107/2001 e 309/2009, estas entidades têm de ter um papel mais activo na elaboração desta pretensão.


A participação pública nos assuntos da cidade é algo que deve orgulhar os cidadãos, pois demonstra que estão dispostos a auxiliar os executivos das autarquias a encontrar as melhores soluções para a sua cidade, havendo, claro, a determinação por parte das autarquias de envolver os cidadãos nessas opções. Partindo deste pressuposto, louvamos a iniciativa de, finalmente, se efectuar uma medida que possa regular a zona do Monumento Nacional das Sete Fontes e que estejam abertas as portas para a formulação de ideias e do diálogo.


No âmbito dos Termos de Referência do Plano de Pormenor das Sete Fontes, a JovemCoop colocou à consideração do Sr. Presidente da CMB um conjunto de sugestões e informações que nos parecem ser relevantes e pertinentes para a conservação daquele sistema hidráulico, elevado à categoria de Monumento Nacional, pois pretendemos que se realize um Plano de Pormenor de Salvaguarda que tenha em conta o passado, o presente e, sobretudo, o futuro das Sete Fontes.





14 de novembro de 2011

RUM: JovemCoop no Campus Verbal


CAMPUS VERBAL
A oralidade em formato rádio. Programa de entrevista e reportagem apresentado por Alexandre Praça

Horário: Domingo 12h-13h
Reposição: Quartas-feiras às 20h

A JovemCoop foi convidada do Programa Campus Verbal da Rádio Universitária do Minho. Ao longo de cerca de 50 minutos, os temas abordados pelo jornalista Alexandre Praça foram muitos, desde as origens da associação, passando pelas Sete Fontes, a nova Pousada da Juventude de Braga, a Capital Europeia da Juventude em 2012, entre outros.


Agradecemos ao Alexandre Praça e à RUM a oportunidade que nos possibilitaram.


Um pequeno parque urbano - uma grande conquista para a urbe


"Correio do Minho" 14/11/2011

Se há autarquias que se espantam por ter de embargar abates de árvores em zonas protegidas, outras há que fazem questão de zelar pela qualidade do ambiente urbano dos seus cidadãos.

O caso deste "micro parque" na área envolvente da Capela de Santa Tecla passa despercebido a quase todos os que no seu quotidiano passam por ali...mas se aquelas belas árvores fossem repentinamente cortadas, de certeza que todos iam sentir a sua falta.

Numa atitude de preocupação e de prevenir antes de remediar, a Junta de Freguesia de S. Victor conseguiu que aquelas árvores, um sobreiro e três carvalhos fossem classificados, detendo agora um classificação como se de um monumento se tratasse...aliás, é mesmo um monumento, mas de índole orgânica.

Pelo menos, dificilmente acontecerá aqui o que paulatinamente tem vindo a acontecer com as Tílias da Av. Central, que desaparecem e ninguém diz nada!

Excelente exemplo para as gerações futuras sobre como cuidar de uma cidade.

Sete Fontes - Entre Aspas - sobre os TdR

"Diário do Minho" 14/11/2011

Como é sabido, está a decorrer o período de Discussão Pública sobre os TERMOS DE REFERÊNCIA DO PLANO DE PORMENOR DAS SETE FONTES.
Todos devemos participar, enviando ao Sr. Presidente do Município de Braga, até ao próximo dia 18 de Novembro, as nossas sugestões.

VEJA AQUI AS NOSSAS SUGESTÕES e formule as suas ideias e envie-as para a Câmara Municipal de Braga e para a Direcção Regional de Cultura Norte.


Sete Fontes:agentes políticos fazem esforços para preservar o Monumento

"Diário do Minho" 11/11/2011

"Correio do Minho" 11/11/2011

Há matérias em que todos os cidadãos estão de acordo...há matérias em que grande parte dos partidos políticos, independentemente da tendência, também unem esforços para defender boas causas.


Cada vez mais se prova que as Sete Fontes são um argumento válido para as opções da qualidade de vida dos bracarenses e que interessa preservar como monumento capaz de incrementar as opções turística da nossa cidade.


Por isso, todos os esforços são úteis e válidos! Ajudemos todos a Salvar as Sete Fontes!!!


E para visualizarmos as Sete Fontes e a sua importância, recomendamos a visualização do video "Sete Fontes Sete Vidas"


Sete Fontes Sete Vidas from PauloOliveiraSousa on Vimeo.



Vamos ajudar a enriquecer o património fotográfico...

"Correio do Minho" 13/011/2011

Numa altura em que se prevêem grandes alterações no Largo Carlos Amarante, tal como podem ver na foto abaixo, interessa recuperar a memória do passado.


O projecto Esseene do Museu da Imagem de Braga pretende reunir mais informações sobre imagens e fotografias das quais não possuem dados mais relevantes.

Por isso, se olhando para esta foto reconhecer alguma pessoa, local ou tiver conhecimento de alguma história associada, solicitamos o favor de contactar a responsável pelo projecto, pelos contactos contidos ao lado da foto.

Braga agradece o seu contributo!

Braga Por um Canudo:Alerta na Fonte do Idolo

"Diário do Minho" 14/11/2011

Os vestígios arqueológicos existentes na zona da Fonte do Ídolo são muito, por isso, a lei obriga a que qualquer intervenção no subsolo seja acompanhada de técnicos arqueólogos. Só por isso, esta "canudada" já tinha razões de vir hoje publicada.

Mas o facto é que além disso, os buracos que lá se encontram não foram realizados pela arqueologia, mas o resultado final foi a pouca sensibilidade para com os cidadãos com dificuldades motoras, pois a terra dos buracos foi colocada no sítio de aparcamento para pessoas com deficiência.

Será que é possível remediar esta situação em tempo útil, para que as pessoas com dificuldade de locomoção possam ver garantidas uma pequena ajuda com os sítios a elas reservadas?

7 de novembro de 2011

Sete Fontes - (quase) Todos em consonância

"Diário do Minho" 06/11/2011

"Correio do Minho" 06/11/2011

"Diário do Minho" 05/11/2011

Uma vez que estão em discussão pública os Termos de Referência para o Plano de Pormenor das Sete Fontes, são já várias as sugestões que têm vindo a ser formuladas e que serão entregues ao Sr. Presidente da Câmara de Braga.


Estruturas Partidárias, Movimentos Colectivos e Cidadãos individuais expressam a sua preocupação com os planos da CMB para a zona das Sete Fontes.


Na Discussão pública promovida pela Junta de Freguesia de S. Victor, no passado dia 04 de Novembro, sobressaem algumas ideias que deixamos aqui expressas:


1 - A necessidade de incluir na equipa técnica elementos técnicos de Arqueologia e Hidrogeologia. Aliás, na discussão, a JovemCoop teve e a oportunidade de mostrar os elementos arqueológicos já conhecidos no Vale das Sete Fontes, realçando o muito que ainda estará por descobrir;


2 - Invocar para a área verde uma Zona Non Aedificandi para que de uma vez por todos as expectativas de construção sejam sanadas e se proteja os lençóis de água; Ver aqui o que a JovemCoop propôs em Novembro de 2009 e o que o IGESPAR responder em Novembro de 2010


3 - Aliviar a pressão construtiva da envolvente para outras zonas marginais;


4 - Não incluir novos traçados rodoviários nem nós de acesso pelo Vale das Sete Fontes, suspendendo a pretensão de construir a variante à E.N. 103;


5 - Promover estudos técnicos de hidrogeologia para reforçar o conhecimento dos lençóis freáticos no Vale das Sete Fontes, salvaguardando a qualidade da água;


6 - Realizar para a área das Sete Fontes não um Plano de Pormenor, mas sim um Plano de Pormenor de Salvaguarda, aduzindo aos técnicos do IGESPAR/DRCN a necessidade de instituir a lei orgânica de protecção do património cultural português.


Se os nossos leitores quiserem contribuir com mais ideias, podem fazê-lo para o nosso e-mail info@jovemcoop.com .Temos até ao próximo dia 18 de Novembro para convencer o executivo da Câmara Municipal de Braga a inverter uma tendência construtiva e a dignificar o Complexo Monumental das Sete Fontes.





Sem Abrigo - Reportagem Diário do Minho


"Diário do Minho" 07/11/2011

Não é um assunto que costumemos abordar neste espaço de ideias. Muitas vezes, quando debatemos ideias para a cidade, falamos de estruturas, infra-estruturas, rede viária, parque escolar, informático e esquecemo-nos do mais importante...as pessoas. Ou melhor, tendencialmente lembramos as pessoas que têm um tecto, comida na mesa, roupa lavada e que todos os dias se levantam para ganhar o seu salário, levar os filhos à escola ou ir para a escola...trabalhar e com sacrifício, vencer as dificuldades do dia-a-dia. 

E então sim, no meio das nossas preocupações, esquecemos quem fez opções de vida errada ou teve infortúnios que os conduziram à desgraça.

Felizmente, estas pessoas tantas vezes esquecidas e marginalizadas têm quem se preocupe com elas, dando-lhes motivos para sorrir, entre tantos momentos do dia em que estão de boca fechada.

Para pensar numa melhor cidade, temos de pensar nos casos sociais e tentar arranjar maneira de sair do nosso individualismo para, em conjunto, arranjar soluções que permitam ajudar quem quer ser ajudado.

Afinal, até passamos por muitas destas pessoas diariamente e elas fazem parte da nossa vivência na cidade. Muitos de nós chamam-lhes os "cromos" ou as "figuras" da cidade, mas estas pessoas têm nome, têm idade e tiveram, um dia, uma vida melhor. E pedem respeito, porque nunca nós imaginamos à noite que além do frio, há quem lhes atire pedras ou lhes roube os cobertores.

Por isso, apelamos à leitura atenta do espaço "Reportagem" do Diário do Minho e que invistam um momento na reflexão do texto.
Obrigado!!!


Fábrica Confiança - reclama uma nova vida

"Diário do Minho" 07/11/2011





Quem vê, por fora, a grandeza da fachada, imagina que lá dentro encontrará um amplo local industrializado que justifique a sua presença ali, na Rua Nova de Santa Cruz.


Infelizmente, quem vê por fora, não imagina o lastimável estado interior, e quem entra, já não consegue imaginar os tempos áureos de grande laboração desta fábrica. Renomeada nacional e internacionalmente, a Fábrica/Saboaria Confiança levava aos quatro cantos do mundo o nome de Braga.


Em Braga, marcava a sua localização o melhor e o pior dos aromas. Se por um lado se tapava o nariz para não sentir o terrível e nauseabundo cheiro que emanava da transformação da matéria prima, por outro lado, era agradável sentir o cheiro dos sabonetes e o doce odor dos perfumes.


Actualmente o edifício está em ruínas. Actualmente, parece estar "em cima da mesa" a possível aquisição do imóvel, por parte do Município, e convertê-lo num equipamento para a cidade. 


Aceitamos com muito agrado o convite que nos foi endereçado pela Coligação Juntos Por Braga para nos juntarmos a uma visita pelo edifício. Estamos de acordo que ali deveria nascer um edifício multidisciplinar, ligado à memória da indústria bracarense, relevando o Museu da Fábrica Confiança e acrescentamos que devia surgir um espaço dedicado a artes cinematográficas, aludindo ao tempo em que se filmou a saída dos operários, aos estilo dos irmãos Lumière. 
Mas advogamos, ainda, conversações com a Universidade do Minho e com a Associação Académica pois seria interessante que ali nascesse um espaço dedicado aos alunos, ao estudos (bibliotecas 24h), à Rádio Universitária do Minho; E que a Junta de S. Victor pudesse ter ali o seu Centro Cívico, dotando-o das "mil actividades" que vai realizando.


Braga ficaria a ganhar, e muito, com a criação de um espaço cultural e académico, que servisse de alternativa às poucas opções de que dispomos actualmente.





Braga CEJ2012 - Indústrias Criativas

"Diário do Minho" 07/11/2011

A Fundação Bracara Augusta organizou, na passada Sexta-feira, uma conferência subordinada ao tema das "Indústrias Culturais e Criativas", bem a propósito da aposta que Braga Capital Europeia da Juventude quer fazer.

Os convidados destacaram a actual conjuntura económica, afirmando que é difícil a aposta na cultura, mas que o facto de Braga ser Capital Europeia da Juventude e Guimarães Capital Europeia da Cultura realça a necessidade de investir nestas áreas, adequando-as aos tempo e de forma mais próxima das pessoas.

Agora que os "dados" estão lançado, esperamos que as organizações da CEJ2012 e CEC2012 captem este repto e saibam como gerir as melhores capitais europeias de sempre!