28 de fevereiro de 2012

Y.Nature - Caminhada PR2 - Trilho do Castelo


YNature – Trilho do Castelo

Para um maior contacto com zonas ambientais de excelência, propomos uma caminhada por um dos mais belos locais do norte de Portugal, na zona do Concelho de Terras de Bouro.

O Trilho do Castelo - o Castelo de Bouro ou de Covide - estende-se pelas chãs e cumeadas da memorável e histórica serra de Santa Isabel.

O percurso a efectuar tem uma distância de cerca de 9km e atinge uma cota altimétrica de 990 metros, percorrendo-se com dificuldade média, por entre veredas singulares, ladeadas pelos maciços montanhosos da Amarela e do Gerês.

Ao longo do seu traçado apresentam-se notavelmente, as modalidades de organização da paisagem natural e construída, oriundas da época medieval.

O Trilho do Castelo abrange o território de três freguesias: Sta Isabel, Chamoim e Covide e apresenta-nos uma paisagem natural em que todos os elementos naturais aparecem no seu lugar. Aqui o Homem ainda não desfez!

A área envolvente do trilho é percorrida por uma densa rede de rios, composta por um conjunto de afluentes e subafluentes que correm por vales encaixados, originários de uma rede de fraturação.

O Trilho do Castelo evidencia aspectos geológicos e geomorfológicos muito característicos, além do visionamento de uma fauna típica de montanha

As aldeias coroam a mancha agrícola, marcando a separação com a zona de bosque, de vegetação
espontânea dominada por carvalhais, com a predominância do carvalho alvarinho (Quercus robur), referenciado pelo excelente estado de conservação e protecção da sua biodiversidade.

O percurso iniciar-se-á na freguesia de Santa Isabel do Monte e terá, como ponto de chegada, o Outeiro do Rei, na Freguesia de Covide.

A inscrição é limitada aos lugares do autocarro de transporte (ida e regresso)
Proposta de Actividade: Sábado, 03 de Março

Ponto de Encontro: 8h45 do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa

Partida do Autocarro: 9h do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa

Ter em atenção:

- Inscrição prévia;
- Levar chapéu;
- Vestuário e calçado adequado;
- Levar máquina fotográfica;
- Levar água;
         
- Levar almoço
Este é um projeto de educação ambiental, com o objectivo de desenvolver atividades educativas e de consciencialização na exploração da natureza.
Este projeto irá promover espaços naturais da região do distrito de Braga e permitirá ainda a divulgação e sensibilização das populações locais para a beleza e utilidade das mesmas.

"Diário do Minho" 02/03/2012

"Correio do Minho" 03/03/2012

As inscrições deverão ser realizadas AQUI na página - www.bragacej2012.com;


JovemCoop e BragaCEJ - Caminhada às Sete Fontes


"Correio do Minho" 27/02/2012

"Diário do Minho" 27/02/2012

Superámos, em larga escala, as melhores expectativas que tínhamos para esta actividade.

A nossa proposta era caminhar até às Sete Fontes, saindo da Avenida Central e, além de descobrir um sítio monumental, perceber a qualidade ambiental do Complexo das Sete Fontes.

Tínhamos 55 inscrições, saímos da Avenida Central cerca de 77 participantes e estiveram nas Sete Fontes mais de 120 pessoas.

Prova de que os bracarenses querem conhecer os seus monumentos e sítios ambientalmente privilegiados e gostam de associar conhecimento à salutar manutenção física.

Y.Nature é uma actividade que continuará a levar os participantes a sítios fantásticos, com paisagens muito bonitas e pouco tocadas pelo Homem.

A não perder!!!



JovemCoop e BragaCEJ2012 - Caminhada pela Via XVIII ou Via Nova




"Correio do Minho" 26/02/2012

"Diário do Minho" 26/02/2012

No passado dia 25, a JovemCoop e a BragaCEJ2012 realizaram uma caminhada pela antiga VIA NOVA (Via XVIII ou GEIRA) visando realçar a importância passada deste antigo traçado e aproximar os participantes ao legado histórico da cidade.

Esta iniciativa contou com cerca de 60 participantes e teve ponto de encontro no Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa. Após encontro dos participantes, realizamos um trajecto que passou pelo antigo Forum Romano (Largo Paulo Orósio), o antigo Cardo Máximo (Rua D. Frei Caetano Brandão), Rua D. Afonso Henriques e finalmente o início da Via Nova com passagem na Rua de Janes, Av.Central, Rua dos Chãos, Rua de S. Vicente, Rua Conselheiro Januário, Rua Conselheiro Bento Miguel, Areal, Caminho do Monte (Calçada Romana) e paragem na Igreja de Adaúfe.

Foi uma excelente iniciativa que permitiu percorrer as três primeiras milhas da Via Nova, passando por zonas de calçada, onde ainda é possível vislumbrar vestígios de marcas de rodados!



Entre Aspas: Os combates da ASPA!

 
"Diário do Minho" 27/02/2012
Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!
A ASPA é uma associação de defesa do património que este ano completa 35 anos de actividades em prol do património.

O "Entre Aspas" desta semana faz uma viagem pela história e vai tocando nos combates que a ASPA foi travando em Braga para proteger o património.

Vale a pena ler e rever algumas das mais insólitas situações e das boas conquistas alcançadas.


Braga: Requalificação do Largo dos Penedos e Rua S.Vicente

 
"Diário do Minho" 26/02/2012
Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!
A par do Campo das Hortas e do Largo da Senhora-a-Branca, também o Largo dos Penedos e Rua de S.Vicente  será alvo de uma requalificação urbana no âmbito do programa "Regenerar Braga".

Também aqui não se questionará a pertinência da requalificação, dado que o Largo dos Penedos é caótico, a nível de trânsito automóvel e de circulação dos peões.

Ainda assim, a "fórmula mágica" de tornar áreas de circulação em zonas pedonais parece estar a pegar moda e também aqui se fará uma zona exclusiva pedestre. Não deixa de ser preocupante que se ouça da voz dos comerciantes as preocupações atinentes do retiro do trânsito automóvel, sobretudo numa rua tão sensivel e escura como é a Rua de S.Vicente. A par do Largo da Senhora-a-Branca, ficará para avaliação futura a intervenção a levar a cabo.

Uma vez mais, regozijamo-nos por mais uma menção ao património arqueológico, com destaque para a Via XVIII ou Via Nova, traçado que a JovemCoop realizou, de forma interpretada no passado Sábado.

Merece óbvia reflexão esta intervenção, tendo em conta que, uma vez mais, as máquinas avançaram apenas com acompanhamento arqueológico e não com sondagens prévias, tendo em conta que o próprio artigo de jornal destaca os achados ocorridos ali bem perto, no início da Rua dos Chãos.

Acompanharemos de perto estas intervenções.


Desemprego Juvenil - Opiniões

"Correio do Minho" 26/02/2012
Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!


É uma temática actual e preocupante.

O desemprego junto das camadas jovens alastra a olhos vistos, com jovens licenciados a não ter oportunidade em dar provas das suas valências num primeiro emprego na área em que se formaram.
Ficam aqui algumas opiniões, duas delas de membros da JovemCoop, de como se pode dar uma ajuda a combater esta problemática!

22 de fevereiro de 2012

Y.Nature - Caminhada Sete Fontes - Inscrições abertas


Y.Nature - Caminhada até às Sete Fontes
Domingo, dia 26 Fevereiro
A questão do abastecimento de água às cidades foi objeto de especial atenção ao longo dos séculos, embora com soluções diferenciadas em função dos meios técnicos e das possibilidades de cada época.

Em Braga, esta preocupação parece ter cabido, em larga medida, aos seus Arcebispos, que se interessaram pela questão da água desde, pelo menos, o século XVI.

Mas no Séc.XVIII, D. José de Bragança manda erigir o Complexo de Engenharia Hidráulica das Sete Fontes, equipamento que abasteceu com água a Cidade de Braga.

Nesta extraordinária obra, encontramos não apenas uma funcionalidade destinada a melhorar as condições de vida da cidade, mas também uma significativa obra hidráulica, e um testemunho de arquitetura barroca que importa preservar como um todo, sem esquecer que esta estrutura só faz sentido se conservar a sua funcionalidade primeira e fundamento da sua existência - a água que corre no seu interior. Nesta medida, o sistema conhecido por Sete Fontes é mais do que um bem patrimonial; ele é, igualmente, um bem ambiental.

Assim, convidamos os bracarenses a caminhar até às Sete Fontes, Monumento Nacional desde 2011 e visitar o seu interior.

Proposta de Atividade: Domingo, 26 de fevereiro

Ponto de Encontro: 9h30 na Arcada (Av.Central)


Percurso. Av. Central, Largo da Senhora-a-Branca; Rua de Santa Margarida, ; Rua Conselheiro Bento Miguel; Largo do Monte de Arcos (Cemitério), Rua do Areal, Rua Dr. Domingos Pereira, Rua Quinta de Passos, Rua Nuno Morais, Complexo das Sete Fontes;

Extensão do percurso: 4 Km
Tempo estimado: 2h30 - 3h (com visita ao interior das Minas)

Dificuldade: Fácil

Ter em atenção:

 - Inscrição prévia;

 - Levar chapéu;

 - Vestuário e calçado adequado;

 - Levar lanterna e máquina fotográfica;

 - Levar água;

Este é um projeto de educação ambiental, com o objetivo de desenvolver atividades educativas e de consciencialização na exploração da natureza.

Este projeto irá promover espaços naturais do concelho e permitirá ainda a divulgação e sensibilização das populações locais para a beleza e utilidade das mesmas.

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES em http://www.bragacej2012.com/events/details.php?id=197&type=1 .


Todos os Caminhos Vão dar a Bracara Augusta: Inscrições Abertas



Percurso Via XVIII – Centro da Cidade até Adaúfe

As vias romanas foram a forma de o Império Romano rapidamente se estender no território e facilitar as comunicações entre as cidades. Pelas antigas vias romanas circularam imperadores, legiões de soldados, comerciantes, mercadores e simples cidadãos ou indígenas, que utilizavam estes percursos para conquistar territórios, realizar trocas comerciais ou aceder a outras localidades.

Bracara Augusta, predecessora da nossa cidade de Braga era tão importante que tinha, pelo menos, cinco grandes vias que interligavam a cidade a outros destinos.

Pretendemos, pois, com esta ação, realçar a importância das vias romanas, bem como dar a entender a forma como eram construídas e identificar as estruturas de apoio.

A BragaCEJ2012 e a JovemCoop propõem, por isso, uma caminhada pelas milhas iniciais das Via XVIII, desde o centro da Cidade até à Igreja Paroquial de Adaúfe, antecedida por uma visita ao Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa.

Proposta de Atividade: Sábado, 25 de fevereiro


Ponto de Encontro:
9h30 no Museu de Arqueologia D. Diogo Sousa e visita à sala dos miliários;
10h – início da Caminhada:

Rua dos Bombeiros; Largo Paulo Orósio; Rua D. Frei Caetano Brandão; Rua D. Afonso Henriques; Largo S. João do Souto, Rua dos Janes; Avenida Central; Rua dos Chãos; Rua de S. Vicente; Rua Conselheiro Januário; Rua Conselheiro Bento Miguel; Rua de Timor; Rua do Areal de Cima; Rua Rafael Bordalo Pinheiro; Rua Hélder de Figueiredo; Caminho do Monte; Igreja de Adaúfe.

Extensão do percurso: 5,5 Km
Tempo estimado: 2h - 2h30
Dificuldade: Fácil

O regresso até ao Centro da Cidade é assegurado por autocarro.
Ter em atenção:

 - Inscrição prévia;

 - Levar chapéu;

 - Vestuário e calçado adequado;

 - Levar máquina fotográfica;

 - Levar água;

 Esta ação faz parte integrante do tema Y.Life, apelando ao conhecimento, pelos jovens, do património arquitetónico e multicultural de Braga como parte de 2000 anos de história e da identidade de Bracara Augusta.



Crónica A Voz à Juventude (7) Tirar a Máscara para cuidar de Braga!

"Correio do Minho" 21/02/2012


Tirar a máscara para cuidar de Braga
Hoje é dia de Carnaval.

Esta celebração, além do caracter lúdico que tem, serve dois objetivos distintos. O primeiro é a diversão, aproveitar um tempo de paródia para expurgar tristezas e encorpar folias de que somos privados no quotidiano quando estamos a estudar ou a trabalhar. O segundo objetivo visa escondermo-nos da realidade e assumirmos uma identidade diferente, transportando-nos para um imaginário alternativo, em que os fracos são fortes, os homens são mulheres, em que as crianças são adultos e os adultos podem ser super-heróis e/ou personagens monstruosas e assustadoras. Quando escondemos a cara, somos quem nos apetece ser, temos a liberdade para dizer o que nos vai na alma e agimos conforme queremos. E toda esta liberdade põe em risco a própria liberdade. Permitam-me dizer que nada melhor que o Carnaval para relembrar algumas coisas que me parecem estranhas, verdadeiros dislates mascarados de tom sério, que atentam contra a moral da causa pública.

Fomos brindados com a fragilidade do pensamento construtivo da cidade, quando finalmente se admitiu que as Piscinas Olímpicas do Parque Norte nunca mais o serão, tendo em conta que após oito milhões de euros gastos e muitos anos depois pode haver a hipótese de entregar a estrutura inacabada à iniciativa privada. Correram notícias nos órgãos de comunicação social e houve pedidos de esclarecimento. Assisti, com alguma admiração, a um vídeo de uma conferência de imprensa no fim de uma reunião de executivo da Câmara em que o Senhor Presidente disse que nada mais tinha a dizer sobre o assunto e que tinha sido muito claro na sua mensagem sobre as Piscinas.
Na mesma altura, abriu mais um fosso na cultura social da nossa cidade quando afirmou que em Braga os sem abrigos só o são porque querem, contrapondo a afirmação de um sem-abrigo que a um repórter afirmou não ter para onde ir.

E se uns não têm sorte e não vão podendo escolher o fado da sua vida, choca-me que muitas pessoas façam verdadeiros murais de lamento sobre a morte de uma popular cantora norte-americana que, não cuidando a sua vida, entrou em processo degenerativo que culminou com o seu aparecimento inanimado numa banheira de um quarto de hotel. Lamento a sina que escolheu, mas teve nas suas mãos a capacidade de inverter o caos em que mergulhou. Incomoda-me o facto de se tributarem homenagens multiplicadas infinitamente a esta cantora pois além de não acreditar na idolatria gratuita de endeusar as pessoas, parece-me estranho que poucos bracarenses tenham ficado incomodados com esta falta de “cuidar do próximo e cuidar da cidade”.

Todos somos humanos, todos cometemos equívocos e todos devemos ter oportunidade para pedir desculpa e emendar as opções erradas que vamos tomando, tendo por objetivo proporcionar o bem “ ao nosso próximo”. Nitidamente, esta referência bíblica ganha expressão quando temos a assunção de querer fazer mais pela causa pública, de forma clara. O não esconder a cara em alturas de crise é assumir que o “próximo” pode ser qualquer um de nós e preocupante é a pobreza envergonhada que nos levou a um falso estilo de vida e que conduziu o país ao sobreendividamento. E noto aqui o meu espanto ao ouvir que há uma primeira geração de pais que contraem dívidas para sustentar filhos com idade para serem financeiramente independentes e que estando desempregados, não têm como sustentar os seus próprios filhos (de forma simples, os avôs cuidam dos filhos e dos netos).

Falamos de crise, falamos da necessidade de assistência às pessoas e, tanto quanto me parece, Braga está mais interessada em discutir as candidaturas dos hipotéticos candidatos à Câmara de Braga. Mas assim sendo, então que os próximos candidatos se preocupem em demonstrar uma postura mais humana e mais preocupada com as pessoas, porque em tempos de crise, há que dar valor às coisas em vez de estar preocupado com o preço delas (lembrando um pensamento do Prof. Adriano Moreira). Em dia de carnaval, rogo para que se tire a máscara do comodismo e que se invista na cidade social, porque no carnaval e no resto do ano ninguém pode levar a mal querer uma cidade melhor!

Esta crónica pode ser lida no site do Jornal "Correio do Minho"!



Curso de História da Cidade de Braga:UM SUCESSO!!!

"Diário do Minho" 19/02/2012

Era grande a nossa expectativa para esta primeira actividade JovemCoop e BragaCEJ2012.
Mas o resultado final foi excelente. Rapidamente esgotámos as incrições e tivemos uma grande audiência, interessada nos mais antigos registos da História da Cidade de Braga (num sentido lato, entenda-se região).

Manifestamos aqui o nosso sincero agradecimento ao Arqueólogo Gonçalo Cruz que brilhantemente nos fez viajar e conhecer milhares de anos de histórias e o modus vivendi de algumas das comunidades aqui instaladas.

O facto de termos começado no novo Estádio Municipal permitiu uma aproximação a um sítio totalmente ligado a um povoado da Idade do Ferro, que entretanto desapareceu, subsistindo ainda alguns vestígios no topo norte, por trás da Cadeia de Braga.

A próxima edição é já dia 16 de Março na Junta de Freguesia da Sé.


Arqueologia: O estranho caso da antena de Esporões

"Diário do Minho" 20/02/2012

Há algo de insólito nesta notícia.

O grupo de moradores da freguesia de Esporões mostra-se indignada com a instalação de uma antena que foi colocada a 30 metros da Capela da Santa Marta das Cortiças e em zona de protecção arqueológica. O que mais indigna este conjunto de moradores é a falta de informação que levou à colocação da antena.

O Presidente da Junta de Freguesia de Esporões não foi informado da colocação da antena, nem tão pouco o Pe. Torres, ainda que a dita antena tenha sido colocada a 30 metros da capela.
Os  moradores não se conformam com esta postura de falta de informação, até porque um morador diz ao Diário do Minho que a colcoação da antena não seria precisa se se instalassem os equipamentos nas antenas da PT.

Mas a chave disto tudo reside na arqueologia e nos procedimentos de instrução arqueológica.
Afinal, a antena foi colocada com a permissão da DRCN (por se tratar de uma área classificada) após acompanhamento arqueológico.

O que não se percebe é, porque é que numa zona de protecção arqueológica, se realizou um simples acompanhamento, em vez de se efectuarem sondagens arqueológicas?
É insólito que se refiram apenas o aparecimento de uns "cacos soltos" (???), não especificando a contextualização crono-estratigráfica e a tipologia dos mesmos fragmentos cerâmicos.

E quem é/são o(s) proprietário(s) dos terrenos? É que têm de assinar a autorização dos trabalhos arqueológicos e ser notificados pela DRCN ( por ser área classificada) e pelo IGESPAR (que autoriza os trabalhos arqueológicos). Se os terrenos forem do Ministério da Administracção Interna, não se percebe como é que o Estado não fala e se aproxima dos cidadãos. Se é de algum particular, então esta colocação é muito estranha.

Seria conveniente esclarecer este processo, até porque esta colocação descaracteriza a paisagem envolvente de um monumento que até tem um processo de valorização arqueológico e museológico para concretizar.


BragaCEJ2012: Foi um grande Carnaval!

"Correio do Minho" 22/02/2012

Em boa hora os bracarenses foram convidados a participar na festa de Carnaval, que se realizou na Av. Central.

Foi muito bonito ver jovens e os jovens há mais tempo a dançar, a conversar e a divertirem-se.
Esta iniciativa prova que faz falta haver mais animação no Centro e que, havendo escolhas, as pessoas aderem.

Se não teve oportunidade de passar pela Avenida Central, é conferir no FACEBOOK da BragaCEJ2012 a animação carnavalesca!


Braga: Intervenções na Senhora-a-Branca e a preocupação arqueológica

"Diário do Minho" 21/02/2012
"Correio do Minho" 21/02/2012

Estão anunciadas e prontas a entrar em execução as obras de requalificação no Largo da Senhora-a-Branca.

Desconhecemos a prioridade das intervenções anunciadas, mas é óbvio que aquela zona merece um reordenamento, tendo em vista a melhoria da fluição do trânsito, bem como dos transeuntes.
Há muito que aquele Largo se encontra desadequado às necessidades da cidade, tendo em conta que deixa a Igreja da Senhora-a-Branca isolada numa espécie de ilha entre ruas.

Olhando para o projecto, surgem algumas dúvidas da boa intenção de reordenar o trânsito, tendo em conta que nasce um "cotovelo" pedonal, que estrangula a circulação automóvel.

Parece, ainda estranho, que tanto se impunha a necessidade de aumentar a área pedonal, quando falando com os comerciantes locais, muitos deles dizem que sem a proximidade de estacionamentos ou de circulação automóvel, as pessoas não fazem tantas compras para não terem de passar pela dificuldade de as carregar!

Damos nota de outra curiosidade...Aparecem, FINALMENTE, preocupações com o património arqueológico, assinalando o percurso da Via Romana XVII e afirmando o acompanhamento arqueológico. Curiosamente, esta chamada de atenção não surge em sítios como a intervenção no Campo das Hortas, onde em frente ao Arco da Porta Nova se esburaca para colcoar grandes manilhas de betão, mas não se vislumbrando acompanhamento técnico para o efeito acima referido.

Tentaremos, dentro das nossas possibilidades acompanahr  o desenvolvimento deste processo e perceber se será benéfico para a população!


Braga: A boa recuperação de D. João Peculiar

"Correio do Minho" 20/02/2012

Depois da infeliz notícia registada no mês passado, é com satisfação que vemos a boa acção de limpeza e recuperação que a Câmara Municipal de Braga efectuou na estátua de D. João Peculiar.

A preservação dos elementos patrimoniais que nos relembram os rostos dos feitos passados e o respeito pela nossa história merecem esta atenção, esperando que não haja mais tentativas de vandalização a esta imagem, que representa os inícios da nossa nacionalidade e os conselhos que então D. João Peculiar deu ao nosso Primeiro Rei, D. Afonso Henriques.


Braga: Leituras na Fontes do Ídolo

"Diário do Minho" 22/02/2012

Há muito se que reclama um maior espectro cultural para Braga, apostando em actividades diversas.

Aqui está uma excelente actividade, que convida os bracarenses a assistir à interpretação de leituras públicas de grandes obras clássicas, em sítios de maior expressão patrimonial.

É já no próximo dia 27 de Fevereiro que se iniciam a interpretação destas leituras clássicas, da responsabilidade da Comunidade de Leitura Dramática da Companhia de Teatro de Braga.


Conhecer o Mosteiro de Tibães



"Diário do Minho" 19/02/2012

O espaço "Reportagem" do Diário do Minho deu destaque ao Mosteiro de Tibães. Nesta grande reportagem, o leitor é convidado a conhecer o mosteiro e a participar nas actividades que estão a ser preparadas.

Vale a pena ir até lá e descobrir um verdadeiro tesouro patrimonial!


17 de fevereiro de 2012

Curso História da Cidade de Braga - LOCALIZAÇÃO da 1ª Sessão



A primeira sessão do Curso da História da Cidade de Braga realizar-se-á esta noite, na SALA de IMPRENSA do Estádio Municipal.

O acesso à Sala de Imprensa faz-se pela Rua de S. Martinho (na lateral do Estádio pelo lado de Real), e entrando pela portão de acesso dos Jogadores. Segue-se pelo caminho asfaltado e entra-se no túnel. Aí deverão seguir até chegar ao Parque de estacionamento subterrâneo e entrar na Sala de Imprensa.

Recomendamos que tragam os bilhetes que permitem o ingresso nesta primeira sessão.

A par da primeira sessão do Curso da História da Cidade de Braga, estaremos em parceria com a iniciativa "Um dia pela Vida", da Liga Portuguesa contra o Cancro, que cuidará de servir café, chá e bolinhos a quem quiser contribuir para uma causa solidária!!!

A sessão de hoje será no Novo Estádio Municipal pois escolha deste sítio justifica-se pelo facto de aqui ter existido um grande povoado da Idade do Ferro, que se destacava-se na paisagem da era antes de Cristo.
Esta noite iremos falar desde os tempos mais recuados da Pré-História, passando pela Idade do Bronze, Idade do Ferro e terminando com a chegada dos romanos à Peninsula Ibérica.


Exposição - Fotografias que sensibilizam!!!

Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!
"Correio do Minho" 17/02/2012

Uma exposição fotográfica que ninguém deverá perder, independentemente de ser condutor ou simplesmente peão!

Saber andar na estrada é uma responsabilidade de todos, e quantos mais cuidados se tiverem, menos assistiremos a acidentes como os que serão retratados nesta exposição. Afinal, os acidentes podem dar-se pelo azar, mas são-se, sobretudo, pela falta de cuidado ou irresponsabilidade de alguém.

Estas fotografias que chocam, devem fazer-nos pensar e reflectir sobre a nossa postura na estrada, e lembrando-nos a responsabilidade para com outro cidadão e para darmos VALOR À VIDA!

Excelente iniciativa rubricada pelo grande fotógrafo Flávio Freitas, que em vários anos de trabalho se defrontou com vários acidentes. Esta exposição estará patente na Junta de Freguesia de S.Victor, a partir de amanhã, dia 18!




Braga Maior:O Museu da Memória de Braga...

Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!
"Diário do Minho" 17/02/2012

O Parque de S. João da Ponte foi um lugar privilegiado para albergar, durante vários anos, os vestígios subsistentes do Antigo Convento dos Remédios.

Várias peças arquitectónicas, umas completas e outras algo amputadas, conviveram e adornaram o espaço do parque da ponte.

Ali assistiu-se a um espaço memória da nossa cidade...mas as últimas obras de requalificação fizeram desaparecer vários elementos!Para onde terão sido recambiados???


15 de fevereiro de 2012

Parcerias: JovemCoop pelas palavras da JFS.Victor

Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!
excerto retirado do "Correio do Minho" de 14/02/2012

O jornal Correio do Minho (e a Rádio Antena Minho) tem vindo a promover as freguesias de Braga nas suas páginas e ontem foi a vez da freguesia de S. Victor se "apresentar" a Braga.
A longa reportagem apresenta vários aspectos da dinâmica imprimida pelo executivo daquela autarquia, sobretudo apostada na proximidade aos cidadãos...desde a infância à terceira idade, passando pelos cidadãos com mais ou menos poses - tratamento igualitário.

No que toca à dinâmica com os adolescentes e jovens, muito nos alegraram as palavras do Sr. Presidente da Junta de Freguesia de S.Victor, afirmando que somos um parceiro de confiança e que os pais acreditam e confiam na JovemCoop.

As actividades que temos vindo a realizar são sinal de responsabilidade, de empenho e de desafio, porque queremo-nos assumir como uma associação (in)formadora para os jovens, capaz de fazer os participantes explorar as suas potências, qualidades e capacidades.
Mas queremos que fique claro que as actividades que realizamos têm muito de paixão, de gosto e de carinho pelo nome JovemCoop, pela fantástica simpatia e pela objectividade da Junta de Freguesia de S.Victor e porque acreditamos nos projectos que temos vindo a realizar.

Agradecemos o voto de confiança e continuaremos a pugnar para honrar esta enorme parceira (porque também é certo que a JovemCoop muito cresceu e aprendeu com a Junta de Freguesia de S. Victor)
O B R I G A D O !!!


A reportagem integral



 "Correio do Minho" de 14/02/2012


Braga: Adjudicação do GNR e o Estudo Hidrogeológico das Sete Fontes

Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!
"Diário do Minho" 15/02/12

A reabilitação do antigo Quartel da GNR parece estar quase a começar. A julgar pelas notícias de hoje, o executivo da CMB poderá aprovar o relatório preliminar do concurso para a obra, o que, caso não haja reclamações, levará à adjudicação da empreitada.
Esperamos que este processo não tenha entraves, tendo em conta que torna-se necessário ter o renovado GeNeRation devidamente funcional durante a vigência da BragaCEJ2012.

CONTUDO...não deixa de ser estranho que o "hipotético" vencedor deste concurso seja o mesmo que, segundo palavras próprias, afirmou ter sido ele a propor ao Sr. Presidente da CMB que comprasse o edifício (estas afirmações podem ser comprovadas na entrevista dada pelo Administrador da DST na parte final do programa Campus Verbal da Rádio Univeritária do Minho...http://podcast.rum.pt/uploads/Campus_Verbal/CAMPUSVERBAL-JOSETEIXEIRA-DST-2011-10-09.mp3

Melhor notícia é, ainda, a promoção do (TÃO DESEJADO E NECESSÁRIO) estudo Hidrogeológico do Sistema de Abastecimento de Água das Sete Fontes.

Este foi um dos tópicos requeridos durante a fase de Discussão Pública dos Termos de Referência do Plano de Pormenor das Sete Fontes, à CMB e à DRCN.

Sabemos, através dos peticionários, que a DRCN terá solicitado à CMB que promovesse o estudo hidrogeológico propostos por todos quanto contribuiram na Discussão Pública.

Uma vez mais, a auscultação popular e a participação dos cidadãos faz a diferença no que toca às opções para a cidade e nas acções de preservação da nossa memória colectiva!

É uma excelente notícia e esperamos que este estudo traga boas revelações e, de uma vez por todas, finalize, como conclusão, da necessidade de impedir construções nas zonas verdes do Complexo e salvaguardar a qualidade da água das Sete Fontes.

13 de fevereiro de 2012

Curso da História de Braga: Lotação Esgotada!!!


As inscrições para primeira sessão do Curso de História da Cidade de Braga, que se realizará já na próxima sexta feira, dia 17, estão fechadas por ocupação das 100 vagas que dispusemos para a participação.

Assim, esta primeira sessão encontra-se já "fechada", mas se houver mais pessoas com vontade de participar, poderemos calendarizar nova edição do curso no segundo semestre deste ano. Se não conseguiram lugar nesta edição, enviem-nos um  email se desejarem que se repita esta iniciativa.

Obrigado!!!

Entre Aspas: Reabilitar o Centro Histórico

Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!

"Diário do Minho" 13/02/2012

O "Entre Aspas" desta semana aborda uma temática muito actual, debruçando-se no "Programa Estratégico de Reabilitação Urbana do Centro Histórico de Braga", estudo elaborado para a CMB, tendo em vista operações de requalificação do Centro Histórico.

O texto, da autoria do arqueólogo Francisco Sande Lemos é uma breve lição sobre a História de Braga e ajuda à interpretação do eixo urbano da nossa cidade e sobre o desenvolvimento da mesma ao longo dos séculos (curiosamente, uma temática sobre a qual se debruço o arqueólogo Luis Fontes nos textos publicados no Diário do Minho e que podem ser consultados no post imediatamente a seguir).

Verdade é que uma operação de reabilitação em Braga merece e carece de uma equipa multidiscipinar que tenha a capacidade de avaliar e encontrar soluções que conjuguem o passado, o presente e o futuro (algo em que os dois arqueólogos citados estão de acordo).

Todavia, apesar do Plano Estratégico ter estado até há pouco tempo em discussão pública,  a verdade é que pouca divulgação se fez, nem houve sequer a vontade de interceder junto da população para que consultasse o documento. Assim é dificil validar as propostas da CMB ou ajudar a encontrar opções que se adequem melhor à cidade!



Braga: Contributo para a uma cidade autêntica...

Para conseguir ler estes textos, sugerimos que carregue no botão
direito do rato e escolha a opção "abrir hiperligação num novo separador".
Dependendo do brower e da versão do utilizador, esta sugestão pode ou não funcionar!


"Diário do Minho" 11,12 e 13 de Fevereiro

Durante três dias consecutivos, o arqueólogo Luis Fontes explanou no Diário do Minho um contributo para demonstrar que Braga é uma cidade rica em hsitória e património.

Adverte, apontando vários casos, que há falta de planeamento no que concerne às estratégias de valorização e recuperação do património e que em Braga impera a falta de divulgação e que muitas vezes os arqueólogos agem a partir de denúncias, numa clara missão pontual de minimizar o que com obras de grande, médio ou pequena envergadura vão delapidando sítios com evidente interesse patrimonial (se não físico, pelo menos documental).

Recomendamos a leitura atenta dos textos, pois há citações em que nos revemos e que queremos que façam escola em Braga, através da participação. Contudo, há argumentos que nos fazem reflectir sobre a forma como é conduzido e os resultados alcançados num projecto denominado de "Salvamento de Bracara Augusta" durante mais de três décadas!




9 de fevereiro de 2012

Curso História da Cidade de Braga - Parte 1 (Estádio Municipal)



Começa no dia 17 de Fevereiro, sexta-feira, o Curso de História da Cidade de Braga, organizado pela associação JovemCoop. A primeira sessão é às 21h15 no novo Estádio Municipal . O curso vai ser conduzido pelo arqueólogo Gonçalo Cruz. Tem como tema "Do povoamento pré-histórico à fundação de Bracara Augusta".

Nesta primeira sessão do Curso de História da Cidade de Braga vão ser discutidos os vestígios mais antigos de ocupação humana na zona de Braga, como é o caso dos vestígios associados ao megalitismo e ao povoamento no Calcolítico e na Idade do Bronze.

Esta sessão, a primeira de cinco, vai também abordar o período proto-histórico da cidade, dar a conhecer o povoamento dos "Brácaros" e a sua história, numa viagem pela história até ao século I antes de Cristo.

Este curso, organizado pela associação JovemCoop, será em forma de palestra. Durante os cursos, vão organizar-se visitas guiadas a sítios patrimoniais. A par desta atividade, vai ser desenvolvida uma sinalética própria para identificar monumentos, com o objetivo de os inserir num projeto de valorização da herança patrimonial.

A sessão decorrerá na Sala de Imprensa do novo Estádio Municipal - as inscrições para o evento, são gratuitas e estão abertas desde  o dia 7 de Fevereiro e podem ser feitas através do site oficial de Braga 2012 (
http://www.bragacej2012.com/events/details.php?id=6&type=1 ).

Este curso de história da cidade é parte do programa oficial de Braga 2012, sob o tema Y.Life, na linha Bracara from Augustus, que quer incentivar o conhecimento dos jovens do património arquitetónico e multicultural de Braga, bem como estimular a produção científica por jovens investigadores.

Este curso pretende abordar cerca de 4500 anos de ocupação do território bracarense e dar a conhecer a evolução da cidade, na história do país e na identidade coletiva, em sessões com formatos diferentes e em locais improváveis.