30 de março de 2021

Crónica "Semana Santa...Virtual!"


 Semana Santa… virtual!


A semana em que Braga mostra verdadeiramente o porquê de ser conhecida como a “Roma Portuguesa”, terá de ser “adiada”, pelo segundo ano consecutivo. No entanto, se no ano passado o cancelamento foi uma surpresa para todos, este ano já era expectável, o que acabou por ter as suas vantagens. 

Se tivermos em conta o ano passado, percebemos que a Semana Santa foi readaptada ao confinamento que se vivia. Houve o cancelamento das procissões e de toda a restante programação que implicava o público presente. 

Apesar de tudo, foram transmitidas, através das redes sociais, as filmagens das procissões de anos anteriores, sempre tentando manter presente o espírito que habitualmente invade toda a cidade. 

Este ano, a adaptação da Semana Santa já se fazia anunciar desde cedo. Deste modo, foi possível (re)pensar atempadamente em toda a sua habitual programação, ainda que com elevado grau de incertezas, dado o novo confinamento e a evolução da Covid-19. 

Com um programa que se iniciou a 17 de Fevereiro e culminará a 4 de Abril, este ano toda a Quaresma será celebrada de forma peculiar. Mantiveram-se as já habituais exposições, com algumas delas espalhadas pelas ruas da cidade, como é o caso da exposição “Plasti-cidade fotográfica”. Existem, ainda, diversas exposições em locais emblemáticos da cidade, desde o Palácio do Raio, passando pela Casa dos Crivos e pelo Museu Pio XII, que devem ser apreciadas por todos. 

Quanto à semana que estamos a iniciar, esta era um dos momentos altos do turismo da cidade. As ruas, pintadas de púrpura, que outrora se enchiam para ver passar as quatro imponentes procissões, estão hoje vazias. 

Contudo, como tudo neste último ano, as celebrações da nossa Semana Santa estarão à distância de um click. Através do facebook da Semana Santa de Braga é possível assistir, pelas 21h30 no dia 31 de Março, a um programa interpretativo da Procissão “Vós Sereis o Meu Povo”, mais conhecida pela Procissão da Nossa Senhora da Burrinha. Já nos dia 1 e 2 de Abril, será possível visualizar, de igual forma, um programa em formato curiosidade histórica sobre a procissão “Ecce Homo” e sobre a procissão do “Enterro do Senhor”, respetivamente. Todas estes programas visam enquadrar o trabalho realizado nos bastidores por cada uma das entidades responsáveis, mas também permitir uma interpretação e um maior conhecimento sobre a representação de cada cena desenhada para cada uma das procissões. Estamos certos que esta será sempre a melhor forma de preservar a cultura e tradição de perceber como são constituídas as procissões e aprecia-las em família. 

Muitos outros momentos serão transmitidos online, basta consultar o programa para ter acesso a toda a informação necessária. Por esse motivo, louvamos todo o trabalho que está a ser  desenvolvido pela Comissão da Semana Santa de Braga. 

Um outro momento, que merece destaque nesta agenda cultural, é o lançamento do CD da “Procissão da Burrinha”. Reconhecemos que esta será, acima de tudo, uma forma de eternizar a procissão e deixar a sua marca num ano tão atípico. Afinal, ninguém se esquecerá dos anos de 2020 e 2021, mas podemos sempre ter momentos bonitos para os recordar. Este CD apresenta 14 músicas recuperadas aos cancioneiros antigos ou compostas pelo génio do Prof. José Machado, da Associação “Os Sinos da Sé”, que lega, para o futuro, a construção de um património musical que perpetuará os anos da pandemia.


Infelizmente, não teremos um dos momentos mais altos do turismo da nossa cidade, e isso afeta vários setores, principalmente após termos sido escolhidos como o Melhor Destino Europeu 2021. Certamente que o título conseguido colocará a cidade de Braga no mapa dos destinos turísticos durante os próximos anos, no entanto, acreditamos que é fundamental que a cidade não se esqueça dos setores mais afetados e que lhes dê a mão assim que haja oportunidade. 

Hoje, mais do que nunca, devemos valorizar o que é nosso. Todos temos saudades de voltar ao quotidiano, de voltar à tão cobiçada normalidade. Não obstante, é imperativo não deixar cair por terra todo o esforço feito e, por esse motivo, devemos manter as regras aconselhadas pela DGS, pois apenas em conjunto será possível travar esta pandemia que nos põe à prova há mais de um ano. Assim, caro leitor, desejamos-lhe uma Páscoa em segurança, pois, só assim, podemos estar certo de que para o ano teremos as nossas tradições de volta.


2 de março de 2021

Crónica "Natural(mente)...Março"

 


Natural(mente)... Março

Com o país cada vez mais “fechado”, aproveitemos este confinamento para nos “abrirmos” ao que a natureza nos dá. O mês que agora iniciamos celebra o Dia Mundial da Árvore, o Dia Mundial da Água e, ainda, o início de uma nova estação do ano: a Primavera!

Porque não se deixa inspirar pelas celebrações deste mês e planeia atividades diferentes, quer individuais, quer em família? Afinal, o importante é usufruir do tempo que, por vezes, temos tendência a desvalorizar. 

A chegada da Primavera traz consigo temperaturas mais amenas, o que dá vontade de usufruir um pouco mais do ar livre e dos espaços verdes da nossa cidade (claro que sempre com consciência e moderação pois estamos a viver um confinamento). No entanto, os passeios higiénicos são não só permitidos, como essenciais, para que consigamos ultrapassar este período da melhor forma. Assim, aproveite um dia de folga e vá passear pela nossa cidade e pelos seus espaços verdes. Faça uma visita guiada para si mesmo, ou para o restrito núcleo familiar, pois estamos certos de que irá sempre reparar em novos detalhes, e acredite que são detalhes que valem a pena ser vistos. Desafiamo-lo a conhecer as estátuas do Parque a Ponte, o Miradouro do Picoto, a Fonte do Jardim de Santa Bárbara e, claro, porque não uma ida até às Mães d’Água das Sete Fontes?

Aproveite um passeio pelo Complexo Eco-Monumental das Sete Fontes e celebre a natureza no seu esplendor, pois ali temos não só toda a vegetação envolvente, como ainda podemos usufruir do som da água que corre dentro das minas, acompanhado pelo cântico dos pássaros que por ali vivem. É, de facto, um local privilegiado, onde, por vezes, conseguimos abstrair-nos da vivência da cidade em que este está inserido. 

Continuamos a desejar o tantas vezes projetado Parque Verde da Cidade de Braga. Sabemos pelo nosso Edil que não será possível concretizar esse sonho ainda no decorrer deste mandato, contudo, no início deste ano foi dado um grande passo para a sua construção, uma vez que a Câmara Municipal de Braga adquiriu mais terrenos a um particular, o que faz com que agora, já seja maior a área de domínio público. Estamos a falar de 17,2 hectares de domínio público e 12,7 de domínio privado. Reconhecemos, ainda, um longo caminho pela frente, mas estamos cada vez mais ansiosos pela chegada do momento em que celebraremos o mês de Março no Parque Verde das Sete Fontes. 


Talvez o facto de sermos o Melhor Destino Europeu de 2021, faça com que o Parque Verde se levante do papel e ganhe forma. Enquanto isso não acontece, vemos o Pelouro do Urbanismo valorizar alguns dos marcos arqueológicos mais importantes da nossa cidade. Afinal, quando falamos da Domus das Carvalheiras ou até do Teatro Romano, muitos serão os bracarenses que nunca ouviram falar de tais espaços. Acreditamos que valorizando o nosso património, conseguiremos distinguir-nos de outras cidades e ter com isso um crescente potencial para o turismo. 

É fundamental valorizarmos o que é nosso e a verdade é que a nossa cidade ficou à frente de muitas outras, que por vezes julgávamos melhores, mais bonitas ou mais conhecidas. Já pensou que vivemos no melhor destino europeu?

Para a JovemCoop, Março é um mês repleto de atividades, muitas delas em parceria com algumas escolas. Vamos aproveitar os tempos que estamos a viver para nos desafiarmos com novas atividades. Aproveitamos, também, para desafiarmos os nossos leitores a conhecerem a sua cidade e a visitarem-na sob outra perspetiva. Aproveite o dia da água e desafie-se a criar novos hábitos para pouparmos um bem que, por vezes, já é escasso. Partilhe connosco, através do nosso facebook, as dicas que tem para poupar água pois iremos partilhá-las com todos os nossos leitores, acreditando, assim, que juntos iremos fazer a diferença para um mundo melhor.


2 de fevereiro de 2021

Crónica "A Pandemia e tudo aquilo que afeta"

 



A Pandemia e tudo aquilo que afeta


Vivemos o rescaldo de uma das eleições presidenciais que mais polémica gerou no nosso país. Já é habitual termos candidatos de partidos opostos, que causam sempre alguma controvérsia durante a campanha eleitoral e, infelizmente,como já seria de esperar uma elevada abstenção por parte dos eleitores. Contudo este ano, o facto de termos um candidato de extrema direita com tanto mediatismo, deveria alertar-nos para o rumo que o país está a tomar. Assim como o facto dos resultados obtidos, por esse candidato, serem   verdadeiramente preocupantes. Igualmente impactante na sociedade é o facto da abstenção rondar os 60%. Já pensou se amanhã nas notícias dissessem que todos os portugueses perderam o direito ao voto, estando o poder de eleger os governantes do país, apenas em alguns políticos? Certamente seria revoltante e nessa altura todos se iriam querer pronunciar. É certo, que o facto de vivermos num estado de emergência, afastou muitos eleitores das urnas, contudo será essa justificação válida?
A verdade é que mais do que nunca foi dada a possibilidade do voto antecipado, e para aqueles que não o solicitaram e foram votar no dia 24 de Janeiro, perceberam que foram tomadas medidas para que cada um pudesse exercer o seu direito em segurança. Todos os Jovens Cooperantes que se dirigiram às urnas partilharam uma opinião bastante positiva da experiência. Salvaguardando que somos de freguesias bastante distintas, damos como um excelente exemplo as medidas tomadas pela Junta de Freguesia de São Victor, que sendo a freguesia com maior população de Braga, conseguiu que todos os eleitores votassem em segurança. Para quem conhecia a organização da freguesia em eleições anteriores, desta vez foi surpreendido pela reorganização da Escola Secundária Carlos Amarante, trocando as habituais salas pelo pavilhão, e deixando de ter as pessoas a percorrerem os corredores entre os dois pisos habituais optando por usar apenas um andar. O facto de terem optado pelo piso térreo facilitou não só o cumprimento dos circuitos de segurança, como também a deslocação de pessoas com mobilidade reduzida evitando assim as habituais escadas, que nem todos percorriam com a mesma facilidade. 

Deste modo, por todas estas razões, lamentamos uma taxa de abstenção tão alta, reconhecendo ainda assim que a pandemia terá certamente afastado os eleitores mais receosos das urnas. A verdade é que Portugal vive, neste momento, o seu décimo estado de emergência. O que significa que voltamos a atravessar um período de provações, agravado pelo tempo. Hoje, mais do que nunca, devemos pensar no aumento do desemprego que esta pandemia está a gerar, são cada vez mais as famílias que precisam de apoio, e que não podem ficar “apagadas” pelo foco no combate direto com os casos de infectados. Combater a pandemia é também prestar apoio a quem mais precisa, pensar não apenas nos casos positivos, mas também nos desempregados e nas pessoas isoladas. Combater a pandemia é pensar nas pessoas sem descurar a cultura e o património. 

Talvez se aproveite este tempo em que nos vemos obrigados a parar para pensarmos em projetos futuros. É urgente proteger o património do nosso país, mas também da nossa cidade. Feliz ou infelizmente, são inúmeros os edifícios com interesse histórico e arquitetónico na nossa cidade, e o futuro de cada um deve estar a ser discutido nos tempos que correm. Esquecer a preservação e protecção destes locais, juntamente com a crise económica em que estamos a entrar, é fragiliza-los. Deixar edifícios devolutos, numa sociedade em crise, e numa cidade cada vez menos vigiada, pois todas as nossas forças estão direcionadas para combater a pandemia, é deixá-los à mercê de quem os quiser vandalizar, ou até invadir. 

Reconhecemos que a prioridade será sempre a vida humana, o proteger da população. Contudo é importante estar conscientes que combater a pandemia vai muito além disso, e que existem muitos outros fatores secundários que sofrem com a pandemia e que necessitam da atenção. Durante os próximos tempos, caro leitor, fique por casa, é tudo o que lhe podemos pedir.



5 de janeiro de 2021

Crónica "Eleições Presidenciais"

 


Eleições Presidenciais


Se podemos caracterizar o ano 2020 como “atípico”, sem qualquer dúvida que o ano que se inicia é um ano de expectativas. Após a contagem decrescente, todos nós, mais ou menos supersticiosos, pensamos nos desejos para 2021 e terá havido, certamente, um comum a todos nós…a “cura” para esta pandemia que tanto nos fez valorizar os mais pequenos gestos, bem como nos privou de estar próximos de quem mais gostamos. 

Entramos neste novo ano com o pé direito e com a esperança de que será um ano positivo. Sabemos que devemos manter todos os cuidados tidos até agora, pois há ainda um longo caminho a percorrer, mas é importante que, aos poucos e com consciência, tudo volte a encontrar um ritmo de normalidade. 

Começamos o ano com um grande desafio. As Eleições Presidenciais ocorrem a 24 de Janeiro. Consideramos que estas eleições são, por si só, um grande desafio não tivessem das maiores taxas de abstenção desde o 25 de Abril. Recordamos que nas eleições de 2016 a taxa de abstenção ultrapassou os 51%, o que significa que mais de metade dos eleitores do nosso país não se deslocaram às urnas para exercer o seu direito de voto. Um fator importante a ter em conta é que tal percentagem de abstenção só foi superior à obtida em 2016 aquando da "reeleição" do Presidente da República, o que, segundo as sondagens, será o caso deste ano. Deste modo, teremos, em 2021, as Eleições Presidenciais mais exigentes até então, pois, para além da “habitual” abstenção, enfrentamos, ainda, uma pandemia que irá, certamente, afugentar os mais receosos das urnas.

Para já, a Comissão Nacional de Eleições avançou com as informações para os votos antecipados que incluem as exceções habituais como eleitores deslocados no estrangeiro, doentes ou presos, adicionando ainda a possibilidade de voto antecipado a todos os eleitores que se encontrem em confinamento obrigatório. Esta nova exceção é incluída devido à pandemia COVID19 que, acima de tudo, não deverá privar ninguém de votar. Por esse motivo, caso se veja obrigado ao confinamento, o eleitor deverá manifestar a sua intenção de voto entre os dias 14 e 17 de Janeiro. 

Quanto ao dia 24 de Janeiro, consideramos que são ainda escassas as medidas tomadas pela Comissão Nacional de Eleições (CNE). A CNE informa todos os eleitores sobre a obrigatoriedade do uso de máscara, apela à desinfeção das mãos antes e depois do ato de votar, sensibiliza para a distância de segurança enquanto aguarda pela sua vez de votar e aconselha, ainda, a que cada um utilize a sua própria caneta para registar o voto. Consideramos que deverão ser tomadas mais medidas, contudo, temos a certeza de que será possível votar em segurança. Apelamos a que a pandemia não seja uma desculpa para não se exercer o direito de voto, tal como não foi um impedimento para muitos eleitores comprarem as suas prendas de Natal. Da mesma forma que foi possível aguardarem calmamente nas filas para as grandes superfícies comerciais, acreditamos que irão aguardar, também, a sua vez de votar, cumprindo todas as medidas de segurança.
As Eleições Presidenciais 2021 são o primeiro momento do ano em que poderemos mostrar como somos cidadãos ativos, que valorizamos o nosso direito de voto que tanto nos custou a ganhar. Já imaginou como seria se nos tirassem um dos mais importantes direitos que temos? No ano 2020, fomos privados da nossa liberdade…não pudemos ir onde queríamos, quando queríamos. Fomos obrigado a ficar em casa, por uma questão de superior interesse mundial. Tendo dado valor aos nossos direitos fundamentais básicos, como a liberdade de circulação, agora é hora de sabermos usar bem esse direito, para um superior interesse nacional. Devemos poder eleger um Chefe de Estado que avalie as necessidades, leia a conjuntura e tome decisões que sejam as melhores para proteger a população.

Enquanto associação juvenil apartidária, a JovemCoop acha fundamental chamar a atenção da importância de exercermos o nosso direito de voto, seja ele qual for. Não ir às urnas não é, de todo, uma manifestação de opinião, mas antes de desinteresse e desvalorização. 

Quanto a 2021, esperamos que seja um ano positivo, em que possamos pôr em prática tudo o que aprendemos com 2020 e, acima de tudo, que seja um ano de superação. Desejamos a todos os leitores que o ano que se inicia seja, acima de tudo, um ano feliz e, claro, repleto de atividades JovemCoop.

9 de dezembro de 2020

Crónica "Um Natal Solidário"

Um Natal Solidário

Em 1985, a Organização das Nações Unidas instituiu o dia 5 de Dezembro como o Dia Internacional do Voluntariado. Esta é não só uma forma de homenagear todos os voluntários, mas também um modo de chamar a atenção para um ponto essencial da sociedade. 

A ONU define o voluntário como alguém que dedica parte do seu tempo, sem qualquer remuneração, a diversas formas de atividades direcionadas para o bem estar social ou outros campos. Acreditamos que o facto de ser uma definição tão abrangente é, também, uma forma de expressar a facilidade que cada um tem em integrar-se num mundo tão vasto como o do voluntariado.

É, precisamente, por ser algo tão amplo e vasto que não nos cansamos de desafiar os nossos leitores para dedicarem uma parte do seu tempo a uma causa maior, garantindo que, no final, terão consigo a sensação de missão cumprida. 

O ano que vivemos está a ser, no mínimo, peculiar, pois sendo certo que todas as pessoas passaram por desafios, não podemos esquecer que existe sempre quem passe por períodos difíceis, independente de estarmos a atravessar uma pandemia. 

Todas as pessoas que precisavam de nós, continuam a precisar da nossa ajuda, principalmente agora. Agora, é tempo de mostrarmos a humanidade que há em cada um de nós e deixarmos de olhar apenas por nós e pelos nossos, sendo um tempo de olharmos pelo nosso semelhante. Assim, vamos aproveitar este espaço para partilhar algumas formas de ajuda, numa quadra que é tão propícia ao altruísmo e à beneficência aos outros.

Por esta altura, é habitual vermos diversas recolhas de alimentos nas portas dos grandes hipermercados. Este ano, pelas razões que já todos conhecemos, as mesmas não podem acontecer. Contudo existem na mesma famílias que necessitam da ajuda das organizações, não só nesta época festiva, mas durante todo o ano. 

O Banco Alimentar é um exemplo de uma organização que, com duas recolhas anuais, enche a mesa de quem passa privações durante todo o ano. Porém, este ano, teve de adaptar a sua campanha. Para ajudar podemos, de uma forma mais tradicional, pedir os vales disponíveis nos hipermercados, ou, de uma forma mais moderna e digital, contribuir através do site alimenteestaideia.pt. Contudo, se não puder fazer um contributo monetário, poderá sempre voluntariar-se no site do Banco Alimentar ajudando, por exemplo, nos armazéns. 

A Comissão Social da Junta de Freguesia de S. Victor volta a compor a mesa de Natal de quem precisa, entregando um cabaz repleto de sabores natalícios. Esta iniciativa, que vem decorrendo ao longo dos anos, conta também com a sua colaboração. Se pensar nos sabores de Natal, certamente pensará no bacalhau, nas batatas cozinhas e, logo de seguida, o azeite. Este último é, sem dúvida, um dos bens essenciais mais caros e mais difíceis de doar. O instinto de qualquer pessoa é sempre doar mais, pois, pelo mesmo valor de uma garrafa de azeite, podemos doar dois ou três quilos de arroz ou massa. No fim de cada campanha de recolha de bens alimentares, foi-se percebendo que faltava azeite para temperar o Natal na casa das famílias em situação de vulnerabilidade. Foi assim que surgiu a Missão “Põe Azeite”, do Grupo Coral de Guadalupe e da qual temos vindo a falar. A JovemCoop orgulha-se de, todos os anos, associar-se a esta missão tão nobre. 

Desta forma, no próximo sábado dia 12 de Dezembro, pelas 10h30 no Facebook da JovemCoop, iremos realizar mais um episódio da segunda edição dos Percursos Brácaros, com a nossa parceira e amiga Associação Braga+. Em jeito de contributo, pedimos a todos os participantes digitais para doarem uma garrafa de azeite, que podem deixar na Junta de Freguesia de S. Victor, ou podem entrar em contacto connosco através das redes sociais ou do e-mail info@jovemcoop.com para combinarmos a recolha da garrafa de azeite.

O projeto “Sonhos de Natal” é também uma excelente iniciativa para colorir o Natal de alguém. Consiste numa árvore, junto ao Museu dos Biscainhos, que tem, como enfeites ,cartões de utentes, de cinco instituições da cidade, e que transmitem os seus desejos de Natal. Apenas precisa de escolher um e dirigir-se ao Museu dos Biscainhos. 


Como vê, caro leitor, feliz ou infelizmente, não faltam iniciativas para ajudar…basta um pouco de vontade e um coração aberto. 


Despedimo-nos de 2020 com a certeza que este ano ficará na memória de todos. Faça com que fique como o ano em que começou o seu projeto social! Um Santo e Feliz Natal e que 2021 venha repleto de saúde!


8 de dezembro de 2020

Percursos Brácaros - A História do Presépio



No sentido de combater o distanciamento social, e de forma a manter ativo o associativo, a JovemCoop e a Braga+ voltam a realizar mais um episódio da 2ª edição dos "Percursos Brácaros". Desta vez e aludindo à época que vivemos o tema será a "História do Presépio" e para assistir basta juntar-se ao Direto no Facebook da JovemCoop pelas 10h30, já no próximo sábado, dia 12 de Dezembro.

Pelo sexto ano consecutivo associamo-nos ao Grupo Coral de Guadalupe e voltamos a abraçar a "Missão Põe Azeite". Qual o objetivo? Contribuir com uma garrafa de azeite que irá temprar o Natal de quem mais precisa, chegando às famílias através dos cabazes entregues pela Comissão Social de S. Victor. 

Em jeito de contributo, pedimos a todos os participantes digitais para doarem garrafas de azeite, que podem deixar na Junta de Freguesia de S. Victor, ou podem entrar em contacto connosco através das redes sociais ou do e-mail info@jovemcoop.com para combinarmos a recolha da garrafa de azeite.


De forma a ser mais cómodo damos ainda a possibilidade de doar o azeite através de MBWay, sendo considerado o valor de 1 Garrafa de azeite 3euros. O número para o qual poderá transferir será o 919347967.

Este percurso será para toda a família, fique a conhecer melhor o seu presépio, ou caso ainda não o tenha montado, porque não durante o percurso?

Contamos consigo e com a sua ajuda!!



10 de novembro de 2020

Crónica "Somos Positivos"

 


Somos positivos…


Todos os dias, enquanto pessoas, vivemos e adaptamo-nos a novos desafios. Quem vive no associativismo sabe que a mudança e a adaptação são uma constante. Quem vive com o ideal de construir uma sociedade melhor, percebe o que é enfrentar novos desafios no seu quotidiano, angariar apoios logísticos, ou mitigar a falta de fundos. 


Desde cedo, aprendemos a fazer muito usando, como ingrediente principal, a vontade que todos temos de melhorar. É por esse motivo que podemos afirmar que o associativismo nos prepara para a vida. 


Nos dias de hoje, percebemos que todos aqueles que já tiveram experiências no associativismo, ou no voluntariado, encontram sempre uma forma positiva de ver as coisas. Dia após dia, vemos os casos, notícias, números preocupantes na televisão e somos bombardeados de informações tão distintas que, por vezes, nem sabemos em quem podemos acreditar, mas sabemos que não podemos parar. 


Na JovemCoop, adaptamos e reduzimos as nossas atividades de forma a continuarmos ativos e sempre com o objetivo de mantermos vivo o interesse que as pessoas têm pela nossa história. Realizámos a atividade “O Nosso Património” e adaptámos as nossas habituais visitas guiadas pela cidade, realizando os “Percursos Brácaros - online”; reinventámo-nos sempre com o objetivo de não parar as nossas atividades. 


Contudo chegou o dia em que nos vimos forçados a parar, o dia em que descobrimos que também nós fazemos parte dos números que surgem no ecrã, o dia em que somos positivos ao COVID19. 


O nosso primeiro pensamento é sempre procurarmos onde esteve a “falha”; pensamos no nosso trabalho, nas atividades planeadas e questionamos qual foi o momento em que “baixamos a guarda”. Contudo, de imediato, percebemos que também faz parte da nossa missão “correr riscos em prol da população”. Sempre estivemos conscientes que, cada vez que saímos de casa, estávamos mais expostos ao vírus, sabendo que há riscos que são necessários, pois há pessoas que têm de estar em casa porque não se podem expor e que esperam a nossa ajuda. 


A nossa experiência, de passar por este episódio de COVID-19 faz-nos ver o isolamento como um tempo de reflexão. Somos obrigados a estar fisicamente resguardados, mas a nossa mente é livre. Assim, aceitamos mais este desafio que a vida nos dá, arregaçamos as mangas e começamos a desenhar novas atividades, sempre com todas as medidas de segurança. 


A verdade é que, mesmo em casa, há quem precise de nós. Deste modo, começamos, desde já, a desenhar o nosso “Percurso Brácaro - online” edição especial de Natal. Quem já tem vindo a participar nesta atividade sabe que, no Natal, associamo-nos sempre a uma causa solidária que já sentimos também como nossa - a “Missão Põe Azeite”. 


A “Missão Põe Azeite” é realizada pelo Grupo Coral de Guadalupe, que todos os anos se compromete a recolher as garrafas de azeite que vão compor os cabazes de Natal, distribuídos às famílias mais carenciadas, que estão identificadas pela Comissão Social da Freguesia de S. Victor. Deste modo, a todos os que irão participar no Percurso que a JovemCoop irá realizar, ou que simplesmente queiram ajudar, pedimos que deixem o seu contributo. 


Podem deixar a vossa garrafa de azeite na Capela de Guadalupe, todos os domingos a partir das 10h30 e também na Junta de Freguesia de S. Victor, todos os dias úteis, das 9h às 13h e das 14h às 17h. Quem desejar, pode contactar a JovemCoop que nós disponibilizamo-nos para ir recolher o seu contributo.

 
Quanto ao “Percurso Brácaro-online” edição de natal, basta estar atento ao facebook da JovemCoop e da Braga +, pois em breve divulgaremos mais informações. 


Enquanto não nos podemos todos encontrar, pense em 2020 como um ano atípico, mas vendo sempre o seu lado positivo. Tivemos mais tempo para nós e para os nossos, tempo para refletir e valorizarmos o que verdadeiramente importa. E, acima de tudo, conseguimos ver a capacidade que temos de nos adaptarmos a novas situações e de enfrentarmos todos os desafios de cabeça erguida. 


Com o ano quase a terminar, pense que “Vai ficar tudo bem!” e, se tiver essa possibilidade, contribua para uma causa social, para que todos  possam encerrar 2020 da melhor forma. 


Mas acima de tudo, veja sempre o lado positivo, e aceite como uma oportunidade cada desafio que a vida lhe lança!


20 de outubro de 2020

Percursos Brácaros - Azulejos da Igreja de S. Victor


 No sentido de combater o distanciamento social, e de forma a manter ativo o associativo, a JovemCoop e a Braga+ voltam a realizar os seus percursos por locais emblemáticos da cidade. Dando inicio à 2ª edição dos "Percursos Brácaros" de forma digital.


(Re)Iniciamos os "Percursos Brácaros" já este sábado, com uma visita aos azulejos da Igreja de S. Victor, para o fazer basta juntar-se ao Direto no Facebook da JovemCoop pelas 10h30.

IMPORTANTE: o horário da atividade fica sempre condicionado pela possibilidade da existência de cerimónias religiosas excepcionais. 

Contamos consigo!

14 de outubro de 2020

Crónica "Quando Colorir pode Ajudar"

 





Quando Colorir pode Ajudar 


Se pensarmos no ano corrente, há uma frase que ficará na memória de todos: "Vai ficar tudo bem!”. Estas devem ter sido as palavras mais sentidas nos últimos meses. Porquê? Talvez porque atravessamos tempos menos bons, mas a crença na Humanidade dá-nos força. 

Contudo, o mundo à nossa volta continua a existir tal como antes, com todos os outros desafios, só que agora temos mais um para ultrapassar. Aludindo ao famoso arco-íris que coloriu os nossos dias, hoje vimos falar de duas das suas cores: o amarelo e o cor-de-rosa. 

Em 2020, conhecemos uma iniciativa que ocorre no mês de Setembro e que merece ser partilhada com todos. O Setembro Dourado é uma Campanha Internacional desenvolvida, em Portugal, pela Associação Acreditar. O objetivo desta campanha é partilhar com todas as pessoas os desafios da oncologia pediátrica. A Acreditar dá um grande apoio a todas as famílias que enfrentam o cancro infantil e, por esse motivo, os nossos amigos do Grupo Coral de Guadalupe decidiram partilhar a iniciativa do Setembro Dourado, ensinando-nos a todos o poder de uma comunidade. 

O Grupo Coral de Guadalupe coloriu os seus dias de amarelo e desafiou todos os seus amigos a comprarem os laços amarelos que fabricaram, doando todo o valor à associação Acreditar. Não podemos deixar de nos orgulhar de tamanho gesto, pois, assim, percebemos que através de um pequeno desafio familiar podemos mudar realmente o mundo de alguém. 

Também associado ao Setembro Dourado, soubemos do desafio "Pelos Sonhos do Tomás”. Se ainda não ouviu falar do Tomás, temos a certeza de que irá ouvir. O Tomás é um menino de 7 anos que precisa da ajuda de todos para conseguir concretizar todos os sonhos que uma criança pode ter. Contudo, para os alcançar, o Tomás precisa, primeiro, de ultrapassar o seu problema de saúde, tendo necessidade de proceder a tratamentos em Barcelona e nos Estados Unidos, mas, para que tal seja possível, todos temos de ajudar a Família Tomás a angariar o montante financeiro necessário, que é extremamente elevado. Vamos dar o nosso contributo e ajudar nesta causa que é de todos aqueles que durante estes tempos disseram “Vai ficar tudo bem!”. Para ajudar basta uma pequena pesquisa nas redes sociais que encontrará a página “Pelos Sonhos do Tomás”. 

Se Setembro foi dourado, então Outubro é Rosa, sendo o mês da sensibilização para a prevenção do cancro da mama. Este costuma ser um mês repleto de atividades abrangentes a todo o público, no entanto, com todos os desafios vividos este ano, o programa será notoriamente mais reduzido. 

A Liga Portuguesa Contra o Cancro, tal como muitas outras associações solidárias, tem vivido tempos difíceis, pois todas as atividades e campanhas, que contribuem para os fundos da associação, foram canceladas. Este ano não tivemos caminhadas solidárias, não existiram concertos, jantares, palestras, entre muitas outras iniciativas. Sem eventos, não há a angariação de receitas que possam ajudar os doentes oncológicos. 

De forma a combater esta falta de apoios, a Delegação de Braga da Liga Portuguesa Contra o Cancro - Unidade de Psico-Oncologia está a vender o livro “Da Nossa Varanda, Varanda de Todos”, cuja totalidade do valor reverte para a Liga. Para adquirir o livro apenas necessita entrar em contacto com a associação ou com alguma das suas voluntárias. 

Num ano de tantas cores é urgente sermos solidários e associarmo-nos a causas como estas. A Liga Portuguesa Contra o Cancro fez, através das suas redes sociais, um pedido para ter voluntários, de forma a conseguir realizar o peditório anual (muitos dos seus voluntários são pessoas de risco que, neste momento, têm de se resguardar). Por isso, se tem algum tempo disponível, ou se, de alguma forma, sente que pode ajudar, abrace uma destas causas e dê o seu contributo. 

Só assim poderemos combater a falta de apoio que o associativismo social tem sentido. Hoje, desafiamos os nossos leitores a vestirem o arco-íris que pintaram nas suas janelas e a fazerem, realmente, com que “Fique tudo bem” para todos! 

Escolha a sua cor, abrace uma causa e veja como é possível mudar o mundo de alguém.


16 de setembro de 2020

Crónica "(Re)Criar Braga"


 

(Re)Criar Braga


Se pensarmos no ano que estamos a viver, sem dúvida que percebemos que é um ano desafiante para toda a humanidade e que nos obriga a parar e a refletir. 


A verdade é que todos precisávamos de o fazer. Fomos forçados a ficar por “casa”, o que nos ajudou a olhar para as mesmas coisas, mas de uma outra perspetiva. O tempo em família foi valorizado por todos… as nossas casas eram, talvez, dos locais onde passávamos menos tempo e, desta forma, fomos “obrigados” a usufruir do conforto do lar. Em suma, tivemos de nos adaptar a uma nova realidade à escala mundial, que, como não podia deixar de ser, acabou por afetar o quotidiano de todas as pessoas. 


Estamos a poucos dias de terminar o Verão, a estação do ano que, para muitos, significa uns dias de férias e até essas tiveram de ser adaptadas, pois, ao contrário do habitual, este ano grande parte da população optou por não sair do país e partir em descoberta de um Portugal encantador. Um Portugal que está sempre de portas abertas para nos receber mas que nem sempre é por nós valorizado. 


Deste modo, reconhecemos a necessidade de valorizar o que é nosso e acreditamos que este tempo de reflexão nos permitiu pensar nas nossas casas com um carinho ainda maior, sendo que muitos aproveitaram para as remodelar, para as tornar ainda mais confortáveis e funcionais. 


A JovemCoop, infelizmente, ainda não tem uma casa para si. Não temos uma sede, um local que podemos considerar nosso, mas este “pormenor” nunca foi um impedimento para nós. Ora, uma vez que não podemos pensar na nossa casa, pensamos na nossa cidade e imaginamos como esta poderá ser ainda mais confortável para todos. É oficial que sempre iremos ambicionar o Parque Verde das Sete Fontes; acreditamos num futuro mais risonho para as Convertidas e para a Fábrica Confiança. Contudo, não deixamos passar despercebido os “pequenos” desafios que a Câmara Municipal de Braga lança aos bracarenses e que podem ajudar a tornar Braga uma cidade mais apelativa. Falamos do Concurso de Ideias para o Monumento Evocativo ao Arcebispo D. Diogo de Sousa. 


Certamente que quem passa pela nossa cidade ouve falar desde icónico arcebispo , que dá nome a um dos nossos principais museus. Conhecido por muitos como o “pai da arqueologia”, foi Arcebispo de Braga desde 1505 até 1532, o ano da sua morte. É a D. Diogo de Sousa que devemos grande parte da cidade como hoje a vemos, pois foi ele quem ousou trespassar as muralhas da cidade medieval, abrindo novos largos ao redor da cidade, criando assim espaços mais arejados. Um exemplo desses locais é o conhecido Campo da Vinha, uma praça mandada abrir por D. Diogo de Sousa e que é, por esse motivo, o local escolhido para a colocação da estátua vencedora do concurso. 


Até dia 12 de Outubro todos podem participar no concurso de ideias, devendo para isso consultar o regulamento disponível no site da CMB. Consideramos esta uma excelente iniciativa, pois, hoje em dia, são muitas as cidades que começaram a (re)decorar os seus espaços públicos animando as ruas das cidades com estatuária e até mesmo com equipamentos públicos apelativos a todos, de forma a qualificar a paisagem urbana. Não podemos esquecer que (re)decorar o espaço urbano irá sempre exigir uma análise especialista, pois são muitos os fatores a ter em conta para que seja um monumento com a devida contextualização. 

Desafiamos, assim, a que o município reflita sobre a “sua casa” e a torne cada vez mais bonita e funcional. Acreditando que há um legado que devemos deixar e que o património não precisa ser antigo para ter valor, é possível construir “património” nos dias de hoje. Conseguimos sempre acrescentar valor a tudo o que fazemos e ao local onde vivemos. Num ano desafiante como que estamos a viver, só podemos acreditar que vamos dar bons passos na valorização e proteção do património, deixando assim marcas coloridas, num ano que tem como símbolo um arco-íris, pois assim saberemos que “Tudo ficou bem!”.



13 de agosto de 2020

Percursos Brácaros - Especial Aniversário

 

De forma a comemorar o 41º aniversário da JovemCoop, iremos realizar um episódio especial dos Percursos Brácaros. O local escolhido é o Recolhimento de Santa Maria Madalena, mais conhecido como Casa das Convertidas. Em parceria com as entidades amigas Braga+, Junta de Freguesia de São Victor e com os Amigos das Convertidas o percurso decorre este sábado, 15 de Agosto, a partir das 10h30, em direto do facebook da JovemCoop, com o propósito de dar a conhecer um lugar de património especial que preenche o coração da nossa cidade.

Contamos consigo nesta edição especial de aniversário, afinal não é todos os dias que uma associação juvenil comemora 41 anos de associativismo.

23 de julho de 2020

Percursos Brácaros - Capela de Santa Marta do Leão e Capela de Santa Maria Madalena



As associações Braga + e JovemCoop vão terminar esta série de Percursos Brácaros com uma visita guiada digital à Falperra, nomeadamente às capelas de Santa Marta do Leão e a Capela de Santa Maria Madalena. Esta iniciativa, realizada em parceria com a Junta de Freguesia de São Victor e com a Irmandade da Falperra, decorre este sábado, 25 de Julho, a partir das 10h30, com o propósito de dar a conhecer um lugar de património e celebração para todos os bracarenses, que coincide com a data da sua habitual romaria. A visita pode ser acompanhada a partir da página da JovemCoop no Facebook.
Tal como é usual na tradição cristã do Entre Douro e Minho, os pontos mais elevados desta montanha acolheram, desde cedo, lugares de culto. A devoção a Santa Marta foi instaurada no monte das Cortiças e, mais tarde e por influência deste, no seu sopé. Também Maria Madalena, que uma das tradições hagiográficas cristãs aponta como sendo irmã de Marta, viu surgir numa vertente oposta da Falperra – mais propriamente na base do Monte Frio - o seu espaço de culto, que seria redesenhado por André Soares em meados do século XVIII.
Com esta visita guiada, as duas associações continuam a dar preferência ao legado de André Soares, associando-se às comemorações dos 300 anos do nascimento do artista bracarense.


2 de julho de 2020

Percursos Brácaros - Palácio do Raio





As associações Braga + e JovemCoop vão dar continuidade aos seus Percursos Brácaros com uma visita guiada digital ao Palácio do Raio. Esta iniciativa, realizada em parceria com a Junta de Freguesia de São Victor e com a Misericórdia de Braga, decorre este sábado, 4 de Julho, a partir das 10h30, com o propósito de dar a conhecer a história e o património deste exemplar tão relevante da arquitetura civil bracarense. A visita pode ser acompanhada a partir da página da JovemCoop no Facebook.
O palácio do Raio é uma das obras-primas de André Soares. Construído a partir de 1752, destinava-se a servir de habitação à família do rico comerciante João Duarte Faria. Sofreu algumas alterações no decorrer do século XIX, quando estava na posse de Miguel José Raio, o homem que deixou o seu nome à casa. Contudo, a designação do palácio mais popular entre os bracarenses era "Casa do Mexicano", devido à estátua do que aparenta ser um turco, que se encontra em destaque na escadaria principal, e saiu também das mãos do mestre André Soares.
O palácio do Raio esteve, até 2011, na posse do Estado. Como sua proprietária, a Santa Casa da Misericórdia de Braga encetou um processo de reabilitação ao edifício, passando a acolher, desde 2015, os serviços centrais da instituição e o Centro Interpretativo Memórias da Misericórdia de Braga.
Desta forma, as duas associações continuam a dar preferência ao legado de André Soares, associando-se às comemorações dos 300 anos do nascimento do artista bracarense.

30 de junho de 2020

O Nosso Património - Inscrições Abertas



Começam hoje as inscrições para a XVI edição de "O Nosso Património" que este ano será adaptado às condições que assim o exigem! 

Sobre o mote "Não pendures já as sapatilhas", entre os dias 6 e 17 de Julho, das 10h às 12h30, desafiamos jovens entre os 12 e os 17 anos a virem conhecer um pouco mais da história de Braga, em geral, e da Freguesia de S. Vitor, em particular.

Garantimos que iremos cumprir todas as normas da Direção Geral de Saúde relativas aos campos de férias, privilegiando o espaço ao ar livre. Assim, a XVI edição traz consigo a novidade de ter todas as suas atividades centralizadas no Parque de Guadalupe, local onde os participantes irão iniciar e terminar as suas atividades. 

É obrigatória a presença nos 10 dias de atividades, uma vez que as vagas são limitadas. 

As inscrições podem ser realizadas online, aqui

23 de junho de 2020

Crónica "O Nosso Património... a XVI edição"


O Nosso Património… a XVI edição

Conscientes de que ainda vivemos num cenário de pandemia, a JovemCoop e a Junta de Freguesia de S. Victor, uniram forças e decidiram levar a bom porto a 16ª edição da atividade “O Nosso Património”.
Acreditamos que estamos, aos poucos, a regressar à normalidade nesta fase de “desconfinamento”, por esse motivo decidimos assumir um compromisso com segurança e realizar esta atividade que é o nosso ex-libris. Direcionada para os mais jovens, a 16ª edição traz consigo o desafio de mantermos a sua essência ao mesmo tempo que a adaptamos a esta nova realidade.
Sob o mote “Não pendures já as sapatilhas”, desafiamos jovens entre os 12 e os 17 anos a saírem da sua zona de conforto e a participarem na atividade. Analisamos todas as indicações dadas pela Direção Geral de Saúde, no que aos campos de férias diz respeito e acreditamos numa atividade segura para todos. Uma das principais adaptações que fizemos foi a redução do tempo da atividade, que antes preenchia todo o mês de Julho e este ano serão apenas 10 dias. Também o número de inscrições será limitado, pelo que desafiamos os mais interessados a inscreverem-se rapidamente. Conforme indicado pela DGS, as inscrições serão unicamente online, estando o link disponibilizado quer no blog da JovemCoop, quer no site da Junta de S. Victor, ou mesmo no Facebook de ambas as instituições, privilegiando assim o contacto digital. 
Todas as atividades foram meticulosamente pensadas de forma a tornarem-se seguras para todos, quer participantes, quer monitores. Nesse sentido, começamos por privilegiar, sempre que possível, as atividades ao ar livre; para isso escolhemos o Parque da Capela de Guadalupe como o nosso “quartel general”, local que será sempre o ponto de encontro para o início de cada atividade.
Todos os participantes terão um KIT de higienização, contendo uma máscara social reutilizável, luvas e álcool gel, para , ue sempre que seja necessário, possam utilizar. Nomeadamente nas visitas a locais fechados, como museus e igrejas, onde é imperativa a utilização destes materiais de higienização. Teremos também algumas horas da atividade dedicada ao estudo das normas de segurança demonstrando sempre a importância do cumprimento das regras.
Assim, acreditamos que a 16ª edição de “O Nosso Património” terá como missão não só a valorização e preservação da nossa história e património, mas também a consciencialização dos jovens participantes para os tempos que a humanidade atravessa.
Ambicionamos dar a conhecer alguns dos locais mais icónicos da cidade, mas também os recantos de uma freguesia rica em história e património. Acreditamos que os tempos em que vivemos o isolamento social ainda está demasiado presente entre os jovens, que praticamente terminaram o ano letivo através de aulas online, tendo estado dessa forma impossibilitados de conviver com os colegas. Reconhecemos que foi uma medida imperativa para a segurança de todos, contudo sabemos pela DGS que os campos de férias já se podem realizar e que esse convívio também nos faz falta, uma vez que o ser humano é um ser social por natureza que não foi “criado” para viver constantemente isolado.
Assim convidamos todos os jovens entre os 12 e os 17 anos a inscreverem-se online e a participarem nesta edição única de “O Nosso Património” que irá decorrer no Parque da Capela de Guadalupe de segunda a sexta feira entre as 10h e as 12h30. “Não pendures já as sapatilhas”, junta-te a nós e vem conhecer melhor a nossa cidade, em geral, e a Freguesia de S. Victor, em particular. Não percas tempo as inscrições são limitadas!